Pesquisar neste blog:

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Piada de duplo sentido


Quando surgiram as primeiras notícias sobre um filme solo de origem do Coringa, torci o nariz (e olha que é um nariz bem grande). Sempre achei que os grandes vilões são mais interessantes quando nós não sabemos de verdade quem são (um abraço para você, Darth Vader dos midchlorians vivos especiais). Uma das coisas que tornava o Coringa de Heath Ledger em Batman: O Cavaleiro das Trevas tão ameaçador era justamente isso. E cada vez que ele contava uma história diferente sobre a origem de suas cicatrizes, mais imprevisível ele se tornava.

Minha resistência ao novo Coringa foi caindo com o tempo, a cada nova notícia e com o Leão de Ouro em Veneza, a ponto de inclui-lo na minha lista dos mais esperados do ano. Consegui ir ao cinema livre de spoilers, mas não sem saber vários dos comentários que vinham surgindo.

"Não é um típico filme de super-herói". Definitivamente! "É um estudo de personagem, denso psicologicamente e violento". Sem dúvida. "A atuação de Joaquin Phoenix é fenomenal e digna de prêmios". Assino embaixo. "O filme não sabe lidar muito bem com seus temas e pode ser potencialmente perigoso". Talvez tenha havido alguns exageros nas reações, mas no geral, a afirmação está correta.


A verdade é que sem o pano de fundo já notório na cultura pop mundial, o público estaria diante de uma história desprovida de propósito. Coringa funciona bem quando se embasa ou faz referência ao universo de qual veio, mesmo com todas as liberdades e desvios. Se fosse sobre um palhaço chamado Carnaval, na cidade de Nova York, com um milionário chamado Taylor West, ficariam expostas as fragilidades da trama e os tropeços de roteiro.

De um desencadear de coisas que parecem vir mais ao acaso para o protagonista, em vez de acontecerem por causa de ações e decisões dele, até um discurso final deslocado, desnecessário e implausível que serve só para expor para o público os temas do filme, existem inúmeros pontos que não seriam perdoáveis em outras produções.

Mas a já mencionada atuação de Phoenix, a trilha sonora envolvente da islandesa Hildur Guðnadóttir (também ótima em Chernobyl), o investimento emocional e, mais uma vez, a graça (perdão da palavra) de ver a ambientação de parte do universo DC sob toda uma nova perspectiva, como nunca antes, nos levam a esquecer os deslizes do filme. O diretor, mais conhecido por Se Beber Não Case, surpreende e cria momentos memoráveis, incluindo uma cena que se torna instantaneamente clássica, pulando da violência gráfica para um misto de humor e tensão, que faria inveja em Quentin Tarantino.

!Agora não tem jeito de não entrar em spoilers!

Falando em referências, as duas mais óbvias e mais comentadas são as a Taxi Driver e a O Rei da Comédia. Mas, por várias me peguei pensando em Psicopata Americano. E aí entramos nas ambiguidades da obra.

A revelação de que o envolvimento de Arthur Fleck com a vizinha era apenas na sua cabeça reforça a teoria de que o caso de sua mãe com Thomas Wayne nunca existiu e que ele, Arthur, estaria tendo um distúrbio similar ao de sua mãe. Ainda assim, não é conclusivo. Particularmente, gosto mais da versão de que Arthur é filho de Wayne, que teria forjado e forçado um registro de adoção para Penny Fleck. Ironicamente, Wayne indiretamente criou o Coringa, que indiretamente criou o Batman.

Outro ponto em aberto, também reforçado pelo caso com a vizinha, mas levantado só no desfecho, é o de que tudo aquilo teria acontecido na imaginação de Arthur enquanto ele estava no hospício (remetendo ao agora suposto flashback no início do filme em que ele bate a cabeça repetidamente numa porta branca - e daí as pegadas de sangue no corredor na cena final). Esta é uma leitura plausível, pelo que é apresentado, mas que para mim diminui o filme drasticamente (e que me faz lembrar ainda mais do porquê não gostei de Psicopata Americano). Nesta versão, de que quase nada aconteceu de verdade, eu não gosto de Coringa.

!Fim de spoilers!

Mas, desconsiderando as interpretações que não me agradam, Coringa facilmente figura entre os melhores do ano, provando ser um daqueles raros feitos que mesclam bem a pegada artística com a cultura pop.


Coringa (Joker), 2019





sábado, 28 de setembro de 2019

Estrelas - das solitárias às esquecidas



Embora conte com algumas sequências tensas e mais aceleradas, Ad Astra - Rumo às Estrelas é em quase toda sua duração um drama intimista de ritmo lento, focado numa atuação contida de Brad Pitt. Isto, belas imagens e incontáveis enquadramentos em plano detalhe e primeiríssimo plano trazem um quê de Terence Malick para a obra. Mesmo com a falta de sutileza ao lidar com o tema pais e filhos e com a exposição recorrente (muitas vezes com uma narração desnecessária), o filme cumpre bem seus objetivos. Mas, teria me agradado muito mais se tivesse sido lançado antes de Gravidade, por alguns motivos, e de Interestelar, por muitos outros.

Ad Astra - Rumo às Estrelas (Ad Astra), 2019




 Por ser uma "história sobre a criação do Dicionário Oxford", O Gênio e o Louco me surpreendeu com uma dose inesperada de tensão, peso dramático e até violência. Sean Penn brilha mais uma vez e parece estar na maior parte do tempo em um filme diferente que o de Mel Gibson. Isto é devido não somente à disparidade da atuação marcante de Penn com a apagada de Gibson, mas também por más escolhas de roteiro e de edição, que deixam a produção com tom e ritmo irregulares.

O Gênio e o Louco (The Professor and the Madman), 2019




 Assistir Yesterday tentando achar uma lógica para sua premissa intrigante - que o mundo inteiro, exceto um músico fracassado, se esqueceu dos Beatles - é um esforço inútil. Assistir Yesterday esperando por coerência e explicações é uma empreitada frustrante. Yesterday tem que ser visto pelo que é: uma comédia romântica com um cenário inusitado e divertido, bem dirigida por Danny Boyle e escrita pelo mesmo cara de Um Lugar Chamado Notting Hill (e dá para perceber como temas e até cenas deste se repetem aqui). Let it be, porque all you need is love.

Yesterday (idem), 2019


quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Netflix para todo gosto (e mau gosto)




Ficção-científica pós-apocalíptica com ambiente restrito, elenco reduzido e que se lança em debates existenciais não é nenhuma novidade, nem uma tarefa fácil de se realizar bem. Mas, I Am Mother consegue prender a atenção, instigar e trazer um pouco de originalidade ao gênero. A dupla principal, a androide Mãe, uma ameaça latente por trás da serenidade aparente, e a humana Filha, vivida com talento pela jovem atriz dinamarquesa Clara Rugaard, conduzem a trama com uma dinâmica inquietante. Alvo de críticas de muitos, o final sombrio não me desagradou, sendo bem menos ambíguo do que julgam por aí.

I Am Mother (idem), 2019






 Após os primeiros minutos de Estrada Sem Lei, quando descobri qual era o enredo, me vi com um "problema de spoiler". A única cena que ficou comigo de Bonnie e Clyde - Uma Rajada de Balas, quando assisti ao filme décadas atrás, era a última. Mas, acabou que saber o desfecho não atrapalhou apreciar o que este longa da Netflix traz de melhor para a conhecida história da dupla de criminosos da Grande Depressão. A ambientação, a trilha sonora e, claro, as boas atuações de Kevin Costner e Woody Harrelson sustentam a produção que poderia muito bem ter tido um lugar nas salas de projeção.

Estrada Sem Lei (The Highwaymen), 2019






O problema raiz de The Perfection o é sua falta de identidade. O longa começa flertando com um thriller sexy sobre obsessão e no seu segundo ato ganha tons de terror B. Se essa transição bizarra já não ajuda muito, as coisas desandam ainda mais no terceiro ato, quando o roteiro não consegue se conter com mais uma reviravolta inadequada, tentando se firmar como um drama de vingança. E a verdadeira revelação é que a produção é infeliz e insensível ao escolher suas ferramentas para tratar de um assunto muito delicado e que merece mais cuidado.

The Perfection (idem), 2018




sábado, 17 de agosto de 2019

Refazendo tudo ou quase nada



Não sou daqueles que vivem torcendo o nariz para toda e qualquer refilmagem ou continuação que é anunciada, mas não raro tenho que dar o braço a torcer pros que odeiam estas produções antes mesmo de vê-las. Infelizmente, Homens de Preto Internacional é um desses casos. Com um roteiro pedestre a dupla central sem nenhum resquício da química construída na Marvel, absolutamente nada nesta produção repete o que funcionou tão bem na trilogia original. Apenas um personagem, secundário, pincela alguma diversão em um filme consistentemente sem graça.

MIB: Homens de Preto Internacional (Men In Black: International), 2019






Se um dos desafios (não conquistados) de Homens de Preto Internacional era o de ao menos igualar algo que dependeu fortemente do carisma de Will Smith, só que agora sem o ator, a refilmagem em carne-e-osso da animação Aladdin trouxe uma irônica inversão: o carisma de Will Smith tendo que ser suficiente para ao menos igualar algo que dependeu fortemente da genialidade (trocadilho proposital) de Robin Williams. A história traz algumas pequenas mudanças no seu recheio (e assim até justifica seu ressurgimento), os rostos desconhecidos se provam boas escolhas e Smith até manda bem. Mas, impossível ignorar a enorme sombra de Williams sobre o filme.

Aladdin (Aladdin), 2019



quarta-feira, 31 de julho de 2019

Mais estranho que ficção-científica



Eu tinha certeza de que quando os atores mirins de Stranger Things crescessem, a série ia ficar ruim. Bom, eu estava redondamente enganado. Melhor que a segunda, e talvez até que a primeira, a terceira temporada volta com um equilíbrio perfeito de suspense e humor e acerta em cheio na emoção. A chave aqui é um roteiro mais centrado nos personagens, não se importando em deixar o desenvolvimento da mitologia como pano de fundo para dedicar mais tempo com a turma que já havia nos cativado, além de trazer boas novas adições ao plantel. As referências aos filmes da década de 1980 continuam um charme à parte, mas o uso da trilha sonora consegue ainda superar o Should I Stay Or Should I Go da primeira temporada e o tema dos Caça-Fantasmas na segunda. Quando eu achava que o ápice seria a sobreposição da trilha de De Volta Para o Futuro em uma sequência que se passa no cinema que está projetando o filme, os Irmãos Duffer ainda nos presenteiam com um dueto totalmente inesperado no último episódio. Daquelas raras vezes em que um clássico vai ser desassociado da sua origem no nosso cérebro e automaticamente passar a ser lembrado por outra coisa completamente diferente.

Stranger Things (3a. temporada), 2019






Sou fã convicto de ficção-científica, aprecio imensamente animações e curto (perdão do trocadilho) curtas. Assim, Love Death and Robots, a série da Netflix em que os episódios são curta-metragens sci-fi realizados cada qual com sua técnica de animação, por criadores distintos, parecia um prato cheio pra mim. Mas, no geral, o resultado me desapontou. Apesar de muito bem produzidas, as histórias não empolgam e poucas se mostram memoráveis. Pelo menos a duração reduzida atenua a sensação de tempo perdido.

Love, Death and Robots (1a. temporada), 2019



terça-feira, 2 de julho de 2019

Com quantas mentiras se faz uma tragédia?


A esta altura, tudo o que precisava ser dito sobre Chernobyl, a usina nuclear soviética e sua tragédia em 1986, já foi brilhantemente dito pela minissérie homônima. E tudo o que precisava ser pontuado sobre a produção da HBO, já foi exaustivamente feito internet afora. Mas, nem por isso vou deixar de registrar uma coisinha ou outra.

Do ponto de vista técnico, Chernobyl é impecável. As recriações dos cenários, o trabalho de maquiagem, a direção, a fotografia mais crua e realista, as atuações... E todo este trabalho serve a um roteiro que sabe dosar com maestria o que foi de fato real com as liberdades narrativas para se adequar ao formato da história. As partes mais chocantes não são em nenhum momento gratuitas ou apelativas e são balanceadas na medida certa como exposição informativa e com respeito aos que sofreram direta ou indiretamente com o acidente nuclear. (acidente?)


Mais do que prover detalhes interessantes e inquietantes, muitas vezes tão minuciosos que passam despercebidos, a série também dá as devidas dimensões do potencial da catástrofe como um todo. A noção do poder devastador do mal invisível acredito que todos já tinham, mas muito do que poderia ter sido, e muito do que foi, certamente não veio à tona na época. E, como toda história memorável, o que mais importa para a trama é o lado humano.

Destacam-se não somente os protagonistas, mas também o heroísmo dos mergulhadores, dos mineiros, dos trabalhadores no telhado e de tantos outros que se submeteram a uma exposição de alto risco simplesmente por seu senso de comunidade. Ou porque seu Governo pediu.

Não há como ignorar que a doutrina soviética é um fator gritante no ocorrido, com seus líderes arrogantes e prepotentes que se preocupavam com as consequências dos problemas para suas próprias carreiras e não para a comunidade, ao contrário da população trabalhadora. Mas, a série expõe sem floreio, as verdadeiras causas de tudo são intrinsecamente humanas: as mentiras.

Mentiras pequenas, mentiras grandes, mentiras para cima, mentiras para baixo, mentiras para os outros, mentiras para si próprio. Todas estão lá, com diversas motivações. E todas contribuem para a tragédia maior e para as tragédias pessoais.

"Cada mentira que contamos gera uma dívida com a verdade. Mais cedo ou mais tarde, a conta é cobrada." Para uma série que começou a ser escrita quatro anos atrás, sobre um episódio ocorrido há mais de trinta, Chernobyl é assustadoramente atual. E, lamentavelmente, Chernobyl será atual ainda por muito tempo.


Chernobyl (Minissérie em 5 episódios - HBO), 2019




quinta-feira, 27 de junho de 2019

Isso não é muito Black Mirror...


Se com a temporada anterior parecia que Black Mirror estava desbotando, com a mais recente parece que a série está brilhando. Mas, não no bom sentido.

Existem poucos resquícios da ironia, da acidez e da ambiguidade sombria que tanto marcaram os episódios mais inspirados da série. Como um Batman Eternamente para os filmes de Tim Burton,  não seria absurdo se esta curta temporada fosse rebatizada como Neon Mirror.

Os episódios de abertura e encerramento, Striking Vipers e Rachel, Jack e Ashley Too, trazem lá os tradicionais conflitos do comportamento humano com o perigo da tecnologia, mas acabam sendo otimistas demais (e cheios de gordurinhas). O primeiro parece mais preocupado em mexer com a percepção e conceitos do espectador do que contar uma história, enquanto o último tem a estrutura frágil e batida de uma novela mexicana, com os elementos de um conto-de-fadas.


Mesmo com uma mensagem muito direto ao ponto, como talvez Black Mirror nunca foi, o que salva é o episódio do meio, Smithereens. Boas atuações (bacana rever Andrew "Moriarty" Scott) sustentam a trama simples, mas bem construída com uma escalada envolvente de drama e tensão. E com um final, aí sim, mais blackmirroresco.

Mas então, excluindo o (telefilme? experimento?) Bandersnatch lançado ano passado, como as novas histórias se comparam com as demais? Por enquanto, na minha opinião, assim:

01. Toda a Sua História - The Entire History of You (T01, E03), 2011
02. Natal - White Christmas (Especial - T02, E04), 2014
03. San Junipero (T03, E04), 2016
04. Queda Livre - Nosedive (T03, E01), 2016
05. Smithereens (T05, E02), 2019
06. Metalhead (T04, E05), 2017
07. Engenharia Reversa - Men Against Fire (T03, E05), 2016
08. Hang the DJ (T04, E04), 2017
09. Odiados pela Nação - Hated in the Nation (T03, E06), 2016
10. Versão de Testes - Playtest (T03, E02), 2016
11. Manda Quem Pode - Shut Up and Dance (T03, E03), 2016
12. Crocodilo - Crocodile (T04, E03), 2017
13. USS Callister (T04, E01), 2017
14. Urso Branco - White Bear (T02, E02), 2013
15. Black Museum (T04, E06), 2017
16. Arkangel (T04, E02), 2017
17. Hino Nacional - The National Anthem (T01, E01), 2011
18. Volto Já - Be Right Back (T02, E01), 2013
19. Striking Vipers (T05, E01), 2019
20. Momento Waldo - The Waldo Moment (T02, E03), 2013
21. Quinze Milhões de Méritos - Fifteen Million Merits (T01, E02), 2011
22. Rachel, Jack e Ashley Too - Rachel, Jack and Ashley Too (T05, E03), 2019

A Netflix ainda não confirmou uma 6a. temporada. Se meu ranking é algum indício, tomara que não deixem de fazê-la, pois a série merece uma despedida melhor.


Black Mirror (5a. Temporada), 2019




segunda-feira, 24 de junho de 2019

E nós com isso?


(Texto com SPOILER e com sentido só para quem assistiu Nós (Us). Para quem gosta de terror fora do óbvio, recomendado assistir - antes de ler, obviamente)

O primeiro longa de Jordan Peele como diretor, Corra!, foi muito bem recebido e rendeu a ele inclusive um Oscar de Roteiro Original. Assim, a expectativa por sua obra seguinte, Nós, era alta e comparações com sua anterior acabariam sendo inevitáveis.

Mas, embora formem uma interessante "sessão dupla de filmes de terror não convencionais", elas não são tão parecidas quanto se poderia imaginar. Corra! mirava um escopo bem menor e, talvez por isto mesmo, tinha um foco maior e apresentava alegorias mais bem lapidadas. Mesmo tendo uma roupagem bem menos usual, enquanto Nós consegue ser vendido como terror de fato, Corra pedia menos 'suspensão de descrença' do espectador.


Quando chegamos ao clímax de Nós, uma série de questionamentos surgem, em desserviço à história: Exatamente todos 'de cima' têm um 'amarrado' embaixo? Como que um relacionamento 'espelho' embaixo necessariamente cria filhos fisicamente idênticos aos de cima? Tem túnel debaixo dos EUA inteiro? O que acontece quando os de cima viajam para fora do país? E quando chegam estrangeiros? Como os amarrados conseguiram tantos macacões vermelhos e tesouras idênticas? E por aí vai...

É preciso fazer muita vista grossa, mas se estivermos dispostos a dar um salto de fé, há muito o que curtir nesta produção assustadora, mas por vezes divertida, e repleta de metáforas. A começar pelo elenco, todo ele, inclusive os atores mirins. É uma lástima que filmes do gênero, e lançados tão cedo no ano, sejam esquecidos ou deliberadamente ignorados na temporada de premiações, porque Lupita Nyong'o merecia abocanhar todos de Melhor Atriz. Simplesmente incrível.

A narrativa em si prende e surpreende, mas o principal é que a trama é instigante e abre possibilidades para diversas leituras.  Há quem veja no simbolismo do vermelho uma alusão ao agora em baixa Partido Republicano dos EUA (US?) e suas causas pela minoria oprimida. Mas, quando a 'Adelaide de Vermelho' diz "Nós somos americanos", enxergo mais como "Nós somos alguém também."

Mais do que político, vejo o subtexto como social: um grito pelos desfavorecidos, subjugados ou esquecidos. E, o filme ressalta, não somente por consequência dos mais ricos, mas também pela classe média. Um "já parou para pensar que para ter a boa vida que você tem, pode existir um submundo de sofrimento por trás"? Um "já parou para pensar que uma outra pessoa qualquer, menos favorecida, poderia alcançar o mesmo que você, dadas as mesmas oportunidades"?

Independente de sua interpretação pessoal, ou mesmo se prefere só ficar com a superfície do filme, Nós ainda tem o mérito de tirar da manga uma reviravolta final, que é ao mesmo tempo deliciosa (pelo valor cinematográfico) e perversa (pela natureza dos fatos). Com a transição de uma Adelaide que vai manchando de vermelho sua roupa branca, revelando gradativamente sua real natureza, o filme nos faz questionar o que temos como valores, o que julgamos ser correto, e para quem e pelo que deveríamos torcer... Provocativo, como todo bom terror é.


Nós (Us), 2019


terça-feira, 4 de junho de 2019

Pontos finais



Depois de 12 temporadas de uma boa mistura de sitcom tradicional com muita nerdice, Big Bang Theory chegou ao final se não com uma explosão, ao menos com a devida emoção. Assim como foi com (a superior, é verdade) Friends, o charme residiu em acompanhar o grupo de amigos: seus relacionamentos, seus maneirismos, seus sucessos, seus fracassos e sua evolução. O fim não deixa de ser agridoce, pois é impossível se livrar do sentimento de despedida definitiva. Mas, se paro de zapear toda vez que Chandler, Monica, Rachel, Ross, Phoebe e Rachel surgem na tela, sinto que o mesmo vai acontecer com Sheldon, Amy, Leonard, Penny, Raj, Howard e Bernadette. Com prazer.

The Big Bang Theory (12 temporadas), 2007-2019






Já com um pouco de saudade de Game of Thrones e acostumado com o padrão dos especiais sobre bastidores da TV e do cinema, sentei para ver The Last Watch com nenhuma expectativa, além da de revisitar alguns cenários e atores da série da HBO. Mas, os realizadores surpreenderam positivamente ao optar por seguirem "personagens" mais empatizáveis, mas não menos interessantes, do cotidiano da produção, em vez de entregarem um amontoado de depoimentos de astros do primeiro escalão. Divertido e até emocionante, este documentário é obrigatório para todos que acompanharam a saga de Westeros: os que gostaram e os que absurdamente acham viável fazer uma petição pedindo toda uma nova última temporada.

Game of Thrones: The Last Watch (HBO), 2019






Dentre as sugestões sem noção que ouvi dos que odiaram o desfecho de Game of Thrones, uma se destacou: "Por que não lançaram uns cinco ou seis finais diferentes?" Minha reação de "E quem escolheria o final, VOCÊ???" saiu filtrada na forma de "Você já assistiu Bandersnatch?". A questão é que o episódio especial da cultuada Black Mirror parte de uma ideia genial, em teoria, e que só pôde existir neste formato (comum em games e até na literatura) graças à Netflix, ao streaming. Ao tomar decisões respondendo perguntas simples que surgem em tela, o espectador influencia diretamente os rumos que a história vai tomar. Apesar de se enveredar por uma metalinguagem curiosa, a fórmula de  Bandersnatch cansa rapidamente, justamente por não fornecer um senso de propósito. E de conclusão. Se não ficar satisfeito com final que acabou de assistir, você pode continuar "tentando" até ver quantos outros finais quiser. O resultado está mais para um experimento sem identidade, que sequer consegue fomentar as discussões filosóficas típicas de um pós-episódio de Black Mirror.  Diga o que quiser sobre os destinos de Cersei, Daenerys, Bran ou Jon: te garanto que Game of Thrones com cinco ou seis finais à la carte seria infinitamente pior.


Black Mirror: Bandersnatch (Netflix), 2018




sábado, 1 de junho de 2019

Raios!



Com pouquíssimo conhecimento sobre o universo Pokemón (um papo ou outro sobre o assunto com meu filho, a assimilação de que o mais importante é o amarelinho, e ícone pop, Pikachu e que seu poder maior é soltar raios pelo rabo - graças a um clipe alternativo do John Ulhoa), não precisa ser investigador  para afirmar que eu não sou o público alvo de Detetive Pikachu. Todavia, mesmo indo ao cinema só para tentar ser um bom pai, não fiquei entediado. Aliás, posso admitir que até gostei. Certamente a produção é um prato cheio para fãs, cheia de detalhes e referências, mas ainda apresenta uma base mínima para engajar os marmanjos. O visual do filme como um todo é bem cuidado e os monstrinhos são bem feitos. Se o recente (e merecidamente execrado) trailer de Sonic - O Filme é exemplo, ser "bem feito" ainda é um elogio hoje em dia e não algo óbvio. Em termos de roteiro, há furos por todos os lados. Só que não deixa de ser uma boa iniciação para os pequenos em filmes noir e em reviravoltas.

Pokémon: Detetive Pikachu (Pokemon Detective Pikachu), 2019






(Contém SPOILERS de Shazam!)
Talvez pelo já bastante criticado tom sombrio de vários dos filmes mais recentes da DC, a campanha de marketing de Shazam! investiu pesado no lado cômico da produção. E nada do que foi previamente divulgado nos prepara para os momentos mais pesados do filme. Não me refiro nem à violência, típica de quadrinhos, principalmente envolvendo os monstros que personificam os sete pecados capitais, mas às decisões do roteiro em trazer uma crueldade realista para seus personagens. Estamos falando de um filme que abre com um menino sofrendo bullying de seus próprios pai e irmão, que vem a crescer e se tornar o vilão que acaba matando os dois. Sem falar no arco do protagonista, que passa a maior parte do longa na busca por sua mãe, só para no clímax encontrá-la e ouvir secamente da sua boca que ela não o perdeu quando criança, mas simplesmente o abandonou. No entanto, na maior parte de sua duração, o filme cumpre o que promete (e ali tem seus melhores momentos) sendo essencialmente uma comédia, por vezes quase besteirol, que chega até a lembrar a série oitentista Super-Herói Americano, em que um adulto imaturo tenta descobrir e controlar seus novos superpoderes. O que distrai um pouco é que, ao contrário de tantas outras produções com a situação de "mesmo personagem, corpo diferente", o divertido Shazam adulto de Zachary Levy não se parece nem um pouco (comportamento, temperamento, etc) com o retraído adolescente Billy Batson.

Shazam! (idem), 2019







Quando Shrek 2 foi lançado, três anos depois do seu antecessor, já não existia mais o frescor da novidade e havia pouco a se acrescentar nos cruzamentos malucos dos personagens de vários contos de fadas. A continuação estava alicerçada meramente no peso dos seus já icônicos protagonistas. Uma Aventura Lego 2 sofre dos mesmos males que Shrek, com um agravante. Embora o primeiro filme e seu spin-offLego Batman: O Filme, tenham sido muito bons, seus protagonistas não conquistaram relevância cultural o suficiente para carregar um longa inteiro nas costas. Assim, a produção tem lá seus momentos divertidos, suas sacadas, suas referências, mas ironicamente ecoa a nova canção principal: "nada é tão incrível"...

Uma Aventura Lego 2 (The Lego Movie 2: The Second Part), 2019




terça-feira, 21 de maio de 2019

A guerra após a Guerra

(contém SPOILERS do último episódio de Game of Thrones, mas pelo tanto de meme que você já recebeu até agora, tanto faz)

Não há discussão de que as duas últimas temporadas de Game of Thrones foram mais corridas e perderam qualidade de roteiro. Mas, mesmo com diálogos mais fracos e menos maquinação, é correto afirmar que o fim "estragou" a série? Sou do time que diz que não. Avalio que houve material suficiente para manter a cria da HBO entre as melhores de todos os tempos. E... gostei do desfecho. Amei, achei a melhor coisa do mundo? Não. Mas, gostei de forma sólida.

Só que parece que cometi um crime. Agora, preciso passar pelos pontos mais polêmicos do último episódio, mostrando porque achei que foram coerentes. E eu gostei justamente porque achei que foram coerentes. Impossível convencer alguém a gostar ou não gostar de algo, e nem tenho a pretensão disto. Só quero me justificar perante a acusação de apunhalar pelas costas o senso comum dos fãs internet afora.


Então...

Qual foi a do Jon?
Sempre foi claro que Jon nunca quis se sentar no Trono de Ferro, mesmo antes dos roteiristas passarem a obrigá-lo a dizer isso em voz alta. Mas, mesmo assim, muita gente ainda torcia para ele terminar lá. O chamado, a recusa, as provações, a recompensa e, caramba, até a ressurreição estavam lá. A Jornada do Herói estava mais que desenhada. Mas Game Of Thrones acabou sendo Game Of Thrones, e o arco de Jon terminou, sob este aspecto, de forma anticlimática.
Só que mesmo com essa quebra, Jon Snow ainda foi um grande herói e teve uma conclusão digna.  Esfaquear Daenerys, foi um ato de covardia? Não. Ele terminou como algo que ele sempre foi (ou aspirava ser), nobre. Acima de tudo. Ele se sacrificou, por um bem maior. Matou a pessoa que amava, porque era o correto para o mundo. Um raro momento na série em que alguém não matou por vingança, maldade ou pela disputa pelo poder. Ele fez o que era certo, altruisticamente, sabendo das consequências. Se tivesse sido a Arya a dar a facada, como muita gente queria, ela seria perseguida como assassina, regicida pelo resto da vida. E, SE ela quisesse matar Daenerys, o teria feito. Teve oportunidade muito mais fácil que a do Rei da Noite.
No fim das contas, Jon até termina com um posto condizente com sua grandeza, um Rei Além da Muralha, Mance Rayder 2.0 ou melhor. Há ali um outro mundo inteiro, uma extensão territorial gigantesca e uma quantidade enorme de pessoas. Sem falar que ele  passou a maior parte da série naquele núcleo de "Povo Livre/ Selvagens". E lá se encontrou. (Nem me venham com papo de Azor Ahai, essa coisa que só foi mencionada nos livros e que eu teria achado ridículo tirarem da manga aos 45 minutos do segundo tempo).

Qual foi a de Daenerys, Nascida da Tormenta, a Não Queimada, Rainha de Meereen, Rainha dos Ândalos dos Rhoinares e dos Primeiros Homens, Khaleesi do Grande Mar de Grama, Quebradora de Correntes, Mãe de Dragões, Amante de Sobrinhos Desde Que Não Contem Pra Ninguém, a Que Caiu do Lado Errado da Moeda Targaryen?
Como não tem hospício em Porto Real...

Qual foi a do Drogon?
Num ataque de fúria ele percebeu que o que realmente matou sua mãe não foi aquele homenzinho que estava ao alcance dos seus dentes (caso seu bafo falhasse em queimá-lo), mas sim a busca cega dela por aquele maldito trono de ferro. E o derreteu. Qual o problema? Quem disse que dragão não pode ter sensatez e tino poético?

Qual foi a do Bran?
O Bran ser o novo Rei é mais do que apropriado pois, conforme Tyrion expôs, ele tem "todas as histórias" dentro de si. E consegue ver o passado e o presente. Se isto não for potencial para ser o governante mais justo da história da ficção, eu não sei mais o que é. Claro, existe aquela sensação de "mais do mesmo" ao vermos o Pequeno Conselho reunido discutindo futilidades? Sim, mas com algumas diferenças. Agora é um grupo mais diverso e, aparentemente, mais digno do que antes. E, estão cuidando de futilidades. Tenho convicção de que os poderes de Bran serão decisivos nos assuntos cruciais. Entendo quando muitos enxergam paralelos com nossa política (não somente a nacional, mas a mundial) e este é um filtro difícil de se tirar. Consumimos ficção sempre sob a visão irônica das nossas realidades. Mas, pode ser só o idealista dentro de mim, tenho a esperança de que pelo menos em Westeros a mudança verdadeira vai acontecer, mesmo que lentamente. O que foi instituído pode, em teoria, terminar aquele monte de disputas dentro de famílias, entre famílias e guerras pelo trono. (Nem me venham com teorias de que o Bran é o Rei da Noite ou que ele está manipulando todos, porque é ridículo, incoerente e teria sido tirado da manga aos 45 minutos do segundo tempo).

Qual foi a do Tyrion?
A grande implicância que ouvi por aí foi: por que a decisão que moldou todo o reino surgiu de uma cena improvável em que Lordes deram ouvidos a um prisioneiro? A isto eu respondo: porque Tyrion é o cara. De longe o personagem mais interessante, com direito a indicação ao Emmy para Peter Dinklage em todas as temporadas até agora, rendendo três vitórias e, se justiça for feita e Bran der uma força, com uma quarta no forno. Viram? Tudo tem explicação lógica.

Qual foi a da Sansa e Arya?
Bom, nem preciso mencionar a Sansa já que, junto com Jon afagando o Ghost, ela parece ser a única unanimidade dos fãs (ex-fãs?) da série. Talvez porque todos enxergaram (e a palavra é, mais uma vez) coerência. Com a personagem e com o seu desenvolvimento. Já, com a Arya, alguns tiveram ressalvas. O que é estranho, pois ela sempre esteve "na estrada", sempre teve espírito aventureiro. Se era para dar um final feliz para uma personagem tão estimada, não vejo outra saída melhor. Aliás, as conclusões das irmãs não tinham como ser mais adequadas, seguras e positivas. E ainda renderam uma bela montagem final, com seus destinos interpostos com o de Jon.

Mais uma vez, respeito os que estão chateados (aliás, a única certeza que eu tinha antes da última temporada começar era de que ela iria agradar a poucos). É direito de cada um fantasiar sobre finais alternativos. E muitas grandes obras, com desfechos ambíguos ou em aberto, dependem disto. Mas, Game of Thrones teve um final concreto. A vida segue. E os debates também.

Eu só não quero ser condenado por gostar de algo. Agora, se insistirem, eu exijo Julgamento por Combate!


Game of Thrones (HBO), 2011-2019




(sim, o texto foi só do episódio final, mas a nota é pra série inteira - fazer o quê? aqui não é democracia. Sam bem que tentou)

sexta-feira, 17 de maio de 2019

A jogada final dos Vingadores

(Texto com SPOILERS para Vingadores Guerra Infinita e Ultimato. Mas, pela bilheteria deles, certamente você já assistiu)

Naturalmente, as HQs fizeram parte da minha infância/ adolescência. Talvez por influência do Superman, de 1978, do desenho dos Superamigos na TV nos anos 1980 e do Batman, de 1989, eu tinha uma afinidade maior com a DC Comics. Mas, li bastante Marvel também, com certa predileção por Homem-Aranha, Quarteto Fantástico e a incrível minissérie Guerras Secretas, que me fascinava por reunir todos os principais heróis numa história única.

Porém, minha estima pelos gibis foi se dissipando por culpa da necessidade da Marvel de entrelaçar suas tramas. Estava lá eu lendo um Homem-Aranha e algo que parecia estar fora do contexto era mencionado. Surgia uma nota de rodapé: *Leia Capitão-América no. 27. Três páginas depois, outra nota: *Leia Vingadores no. 31. O caso era que nem toda banca de revista tinha tudo, a mesada era limitada e eu simplesmente não achava certo ser obrigado a ler um monte de outra coisa para poder acompanhar a história que eu queria. Infelizmente, o mesmo aconteceu comigo com a incursão da Marvel nos cinemas com seu Marvel Cinematic Universe. Começou a ter tanto filme, com tanta "nota de rodapé", que bateu uma preguiça. A verdade, doída, é que não vi exatamente todos os cerca de 20 filmes que deveriam ser assistidos antes dos dois Vingadores derradeiros.

E Vingadores: Guerra Infinita definitivamente está sob este paradigma. Só é possível entender 100% do ponto de partida da história, e do pano de fundo de todos os (incontáveis) personagens, se tiver assistido a 100% dos filmes que o antecederam. Mas, claro, é possível curtir o filme com conhecimento de apenas parte da filmografia do MCU, pois o roteiro usa alguns poucos minutos aqui e ali para dar uma relembrada no (ou situar o) espectador.

E há, sim, bastante o que curtir nesta convergência mágica de personagens, estrelas e narrativas, em uma escala talvez sem precedentes na história do cinema. Mas, há muito. E, julgo, não das coisas certas.

Os grandes momentos da Marvel no cinema quase sempre foram os de desenvolvimento e interação de personagens. A esta altura, as origens estão realmente mais que estabelecidas e muitos heróis estão mais para o fim dos seus arcos do que demandando mais maturação. Mas, ainda há bastante para se explorar no relacionamento daqueles vários egos - sendo o exemplo maior (e as melhores partes de Guerra Infinita) a dinâmica entre Thor e os Guardiões da Galáxia.

Além também de um pouco de Tony Stark "versus" Doutor Estranho e de Wanda e Visão num romance sem graça e nada eficaz em estabelecer a carga emocional necessária para decisões que levam ao clímax do filme, o roteiro se esforça para investir em Thanos.

Ainda assim, a ação em torno do vilão é muito corrida: levou sabe-se lá quantos anos para conseguir uma única Joia do Infinito e agora, duma vezada só, consegue todas. E, mesmo com uma boa atuação de Josh Brolin sob o CGI, seu momento maior de "humanização" não me conquistou, nem me convenceu. Não vi material suficiente nos dois longas dos Guardiões, nem neste, que me fizessem acreditar no tamanho do amor de Thanos por Gamora. Não me pareceu ser uma tarefa árdua para ele o "sacrifício" para conquistar a Joia da Alma, assim como ele não esboçou ser uma alma torturada depois.

A morte de Gamora é, sim, impactante, construída em uma cena bela e dramática. Este impacto, porém, se contrapõe à sensação de provisoriedade das outras mortes que ocorrem, principalmente no 'grande momento' da produção.

Já é sintomático em filme de heróis e a Marvel sabe disso. A morte de Lóki, por exemplo, é precedida por um "Sem ressurreição desta vez" e sucedida por um "Desta vez é definitivo, ele não voltará", para tentar (sem sucesso, no meu ponto de vista) dar algum peso ao que está por vir.

Embora as imagens sejam momentaneamente tocantes, assim que começam a ser revelados quem são os afetados pelo estalar de dedos do Thanos, o filme me perdeu. A obviedade de que haverá uma reversão no próximo Vingadores fica estampada no momento em que são eliminados personagens que já têm suas continuações garantidas, como Pantera Negra, Guardiões da Galáxia, Doutor Estranho e Homem-Aranha. O elemento surpresa e o choque são rapidamente substituídos pelo desânimo de "é, lá vem mais um filme de ressurreição de heróis". Mesmo sem a mínima noção dos (amplamente divulgados) planos da Marvel para as telonas, um espectador imerso consegue ter a mesma percepção: acabou de ver minutos antes Thanos revertendo uma morte, a do Visão.

Fica de fato uma certa expectativa do como vão fazer, mas nenhuma dúvida de que realmente vão. Eu senti mais pelo povo de Gamora no flashback do que pelos protagonistas.

(Até aqui o texto foi escrito antes que eu tivesse visto Ultimato)


E, então, tudo nos leva a Vingadores: Ultimato.

Sob a ótica da família de Gavião Arqueiro, o filme abre ainda no espírito de Guerra Infinita: perturbador num primeiro momento, mas, pela dimensão e pelo "tipo de filme que é", sem margem para dúvida da reversibilidade. E, pelos próximos 15 minutos, assim segue. Na correria e, com Thor decapitando Thanos, no choque seguido da certeza de que nada é definitivo. Afinal, ainda é o começo de um longa de super-herói produzido pela Disney!

Mas, as coisas começam a ficar interessantes e o salto de cinco anos traz um desconforto necessário. Mesmo que a metade da vida do universo volte em algum momento, temos a oportunidade de presenciar o quanto a ausência dela afeta o planeta e, principalmente, os personagens. O filme tira o pé do acelerador e o roteiro cuida de nos situar nas consequências psicológicas e emocionais. À medida que a equipe vai se recompondo para a execução do novo plano, os diretores acertam em construir momentos tenros ou engraçados, calmos e pequenos em escopo, tão escassos em Guerra Infinita.

Os assaltos temporais, como foram batizados pelo Scott, criaram formas inventivas para o público revisitar momentos do MCU sob outros pontos de vista, lembrando bastante De Volta Para o Futuro 2. Isso sem perder o foco nos relacionamentos e em meio a sequências de ação empolgantes.

De uma forma geral, sou um fã de viagem no tempo e, talvez com exceção do contido Crimes Temporais e do confuso e complexo Primer, praticamente é impossível se criar uma história em torno deste tema sem incorrer em furos ou paradoxos. Pensar um pouquinho demais nas ações e consequências do que é feito na maior parte deste filme é ser puramente implicante e esquecer que trata-se de uma obra de entretenimento. Claro que o que o Capitão América faz no final beira o absurdo e dificilmente sustenta a lógica de muita coisa que já aconteceu nestes filmes todos, mas não me importo. Eu me diverti com o que vi e fiquei bem satisfeito que a solução não foi simplesmente fazer o tempo voltar para trás. As mortes acabaram não sendo definitivas, como previsto, mas o impacto daquelas ausências modelou fortemente os que ficaram. E suas decisões.

Avalio que Ultimato é uma conclusão digna para os que encerraram seu ciclo e um bom empurrão para os que continuam suas jornadas. Ainda sinto resquícios de saturação de filmes de super-heróis, mas se lançarem 'Asgardiões da Galáxia' semana que vem, meu ingresso está garantido.


Vingadores: Guerra Infinita (Avengers: Infinity War), 2018




Vingadores: Ultimato (Avengers: Endgame), 2019




quinta-feira, 16 de maio de 2019

Agora é pessoal

Agora está assim: se passo mais de um mês sem postar aqui, bate aquela vontade de desistir.

Falta tempo pra assistir, falta mais tempo pra escrever. Nessa última "recaída", me veio à cabeça a frase filosófica que apareceu certa vez num saquinho de chá: "Antes de desistir, lembre-se por que começou."

Como não é recomendado ignorar estes sinais que saquinhos de chá e biscoitos da sorte nos mandam, me recordei que comecei este blog por dois motivos: 1) eu queria parar de chatear as pessoas com tanto assunto de filme, pessoalmente ou por e-mail; e 2) eu queria registrar, pra mim mesmo, que fosse, minhas impressões e comentários sobre filmes, séries, a vida, o universo e tudo mais.

O motivo 1 nunca foi cumprido. Eu não consegui parar de chatear as pessoas com tanto assunto de filme, pessoalmente ou por e-mail (nem, numa segunda geração, por WhatsApp). Aliás, eu não consegui parar de chatear as pessoas, ponto.

O motivo 2 acabou sendo a verdadeira força-motriz do blog. Mas, percebi que acabei me desviando do propósito de fazer algo mais intimista ao tentar imprimir nos textos (que acabaram virando só "parágrafos") uma impessoalidade prepotente, até arrogante.

Afirmações como "o filme é" ou "o espectador percebe", teriam sido mais honestas e humildes, se tivessem sido registradas como "minha opinião é" ou "eu percebo". Talvez assim eu teria tido mais tempo para o blog: não procurando adjetivos para supostamente julgar objetivamente diversos aspectos das produções, mas buscando palavras certas para tentar expor meus sentimentos subjetivos com relação às obras.

Então, a ideia agora é tentar dar continuidade dessa nova forma, mais pessoal.

Sem abandonar o padeçômetro, claro, que vai estar mais para alguma escala de "Não Gostei"/"Gostei" do que a atual de "Ruim"/"Bom". Mas, pra facilitar (e polemizar), vou deixar do jeito que tá...

Assim, vamos lá mais uma vez: O que dizemos para o Deus da Morte dos Blogs?


Hoje não.


domingo, 17 de março de 2019

Pendências do Oscar e a calmaria que vem depois

  

Sabendo-se a premissa de Homem-Aranha no Aranhaverso, não há como não se apaixonar à primeira vista pelo filme já antes mesmo de começar, quando os logotipos da Sony, Columbia etc começam a se transformar rapidamente nos mais variados estilos de animação de cada um dos Aranhas que vão surgir. Dali pra frente, até a hilariante cena pós-créditos, é só acertos. Recheado de humor e auto-paródia, sem abandonar um peso dramático necessário e honesto com os personagens, Aranhaverso encanta, ao mesmo tempo em que enche os olhos com sua(s) escolha(s) de técnica(s) de animação. Oscar de Melhor Longa de Animação (e praticamente todo e qualquer prêmio de animação da temporada) mais que merecido.

Homem-Aranha no Aranhaverso (Spider-Man: Into the Spider-Verse), 2018






Na Farsa, o burlesco prevalece e normalmente a ambientação é reduzida a poucos, senão a um único local. Este é o gênero mais identificável com A Favorita, que rendeu o Oscar de Melhor Atriz a Olivia Collman. Sua atuação, aliás, foi tida como o carro-chefe da produção, em conjunto com as de Rachel Weisz e Emma Stone, ambas indicadas a Coadjuvante. O que é destoante é que, embora todas as três tenham um trabalho sólido, cada uma parece estar num filme diferente. A personagem de Stone parece saída de uma comédia contemporânea qualquer, Weisz abraça o drama de época e Collman, enfatizando o ridículo, se encontra certamente numa farsa. A opção do diretor Yorgos Lanthimos por um final bizarro e em aberto não só não é mais desestimulante que sua falta de ritmo e que sua decisão confusa de usar grande angular repetidamente.

A Favorita (The Favourite), 2018






ALERTA DE SPOILER PARA CALMARIA (SERENITY) 
Calmaria tem o potencial para desagradar dois grandes grupos de frequentadores de cinema: o dos que se entregam a um filme sob o filtro do seu rótulo e o dos que desconfiam de tudo e procuram pistas sobre as segundas intenções dos realizadores. Sob a ótica do primeiro grupo há uma mudança de gênero no meio do caminho, de drama/ neo-noir/ crime para ficção-científica/ fantasia, ficando mais próximo de um episódio longo e pouco inspirado de Black Mirror. No segundo grupo, até os olhares menos atentos (ou de quem entrou no cinema com 15 segundos de atraso) não conseguem ficar alheios às obviedades de um roteiro que falha em esconder a natureza da realidade que se desenrola na tela. Os elementos que prenunciam a "surpresa" são tão gritantes (e também surgem em cenas que não estão sob a perspectiva do protagonista) que simplesmente fracassa a tentativa de se associar as coisas estranhas a um possível transtorno de estresse pós-traumático (ou simples loucura) de Baker Dill (em mais uma atuação marcante de Matthew McConaughey, diga-se de passagem). E para ambos grupos, e todos os outros que existirem, há ainda uma abominável deixa no epílogo em que um jogo de computador (ou, pior, um pai), com um "às vezes fazemos coisas ruins por boas razões", endossa um adolescente, vítima de bullying ou abuso, assassinar alguém. Inadequado e insensível.

Calmaria (Serenity), 2019