Pesquisar neste blog:

domingo, 30 de dezembro de 2012

Hora de trocar o espelho mágico


Última reflexão de 2012...

Muitos filmes demandam que seu público faça algumas concessões. Para ser envolvido plenamente em uma história, o espectador pode precisar ter que acreditar em alienígenas, seres do mundo imaginário, espíritos, tecnologias absurdamente avançadas, poderes paranormais, viagem no tempo, imortalidade, clonagem humana, carros semi-indestrutíveis, vilões ruins de mira, variações da lei da gravidade, etc.

Desde reconstituição de dinossauros através do DNA contido em mosquitos pré-históricos mumificados, até departamentos de polícia futurísticos que conseguem prever e impedir os crimes antes que eles aconteçam, o cinema já apresentou premissas que, embora absurdas à primeira vista, funcionam muito bem quando o espectador está disposto a aceitá-las de alguma forma.

Porém, alguns passam dos limites. Este ano, por exemplo, Hollywood tentou empurrar um filme que se sustenta totalmente na ideia de que Kristen Stewart é mais bela que Charlize Theron.



Sério???

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Filme para o fim do mundo


Amanhã, segundo os Maias, o mundo acaba.

Embora tenha ficado tentado a fazer como todos os blogs e sites de cinema devem estar fazendo, e compilar uma lista com os "melhores", "piores", "mais realistas", "mais absurdos", etc... "filmes sobre o fim do mundo", decidi por algo um pouco diferente. Vou comentar sobre uma produção apenas. Mesmo porque se o mundo for acabar mesmo, não vai dar tempo de ver tantos filmes.

O Abrigo (Take Shelter) é um filme de 2011 que foi injustamente desprezado pelas distribuidoras nacionais e veio diretamente para as locadoras no Brasil. Ambientada numa pequena cidade americana, a história é centrada num intenso drama familiar, desencadeado por um homem que, ao ter sonhos e visões apocalípticas, começa a tomar decisões que afetam seu trabalho e seu casamento.


Diferente de grandes produções que tratam do tema, este projeto independente é introspectivo e alegórico. Recorrendo às excelentes atuações de Michael Shannon e Jessica Chastain e a um roteiro afiado, em vez de efeitos especiais grandiosos, o filme consegue conquistar a cumplicidade do espectador e envolvê-lo nas angústias do personagem principal. Com o mundo atual em plena instabilidade econômica, ameaçado por atentados e conflitos e onde a síndrome do pânico afeta um número cada vez maior de pessoas, a nossa racionalidade nos faz automaticamente torcer para que aquele homem não ceda à sua paranóia. Mas, a nossa fragilidade perante o desconhecido nos deixa com a dúvida: e se não for um distúrbio mental e sim uma profecia? O instinto de proteger a família não fala mais alto?

O Abrigo é essencialmente um filme sobre o sinal dos tempos. Sinal dos nossos tempos. Se é efetivamente sobre o sinal do fim dos tempos, precisaremos discutir depois que assistirem ao filme.

Se os Maias estiverem errados, claro.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

2013 - O que vem por aí


E eis a tradicional lista dos filmes mais esperados para o próximo ano...
(os pendentes da lista 2012 que ficaram com estréia nacional para 2013, como Lincoln, Hitchcock, A Viagem e Gravidade, naturalmente continuam aguardados, mas ficam de fora desta)



01. Elysium (Ainda sem título em português)
Estréia: 16 de Agosto
Ficção científica - Em 2159, o mundo é dividido entre dois grupos: o primeiro, riquíssimo, mora na estação espacial Elysium, enquanto o segundo, pobre, vive na Terra.
Dir.: Neill Blomkamp
Com: Matt Damon, Jodie Foster, Alice Braga, Wagner Moura, Diego Luna


02. Homem de Aço (Man of Steel)
Estréia: 12 de Julho
Ação - Nova reinvenção do Superman para o cinema
Dir.: Zack Snyder
Com: Henry Cavill, Amy Adams, Russell Crowe, Diane Lane, Kevin Costner


03. Now You See Me (Ainda sem título em português)
Estréia: 07 de Junho
Thriller - Agentes do FBI caçam grupo de ilusionistas que realiza roubos milionários durante suas apresentações.
Dir.: Louis Leterrier
Com: Morgan Freeman, Mark Ruffalo, Jesse Eisenberg, Michael Caine, Woody Harrelson


04. Saving Mr. Banks (Ainda sem título em português)
Estréia: Dezembro (EUA)
Drama - O filme traz Walt Disney nos bastidores do complicado processo de viabilização do clássico filme Mary Poppins.
Dir.: John Lee Hancock
Com: Tom Hanks, Colin Farrell, Emma Thompson, Paul Giamatti

05. After Earth (Ainda sem título em português)
Estréia: 07 de Junho
Ficção científica - Depois de um pouso forçado, pai e filho têm que explorar um planeta hostil.
Dir.: M. Night Shyamalan
Com: Will Smith, Jaden Smith, Isabelle Fuhrman, Zoë Kravitz.

06. Homem de Ferro 3 (Iron Man 3)
Estréia: 26 de Abril
Ação - Em sua terceira aventura Tony Stark vai enfrentar o vilão Mandarin.
Dir.: Shane Black
Com: Robert Downey Jr., Gwyneth Paltrow, Ben Kingsley

 
07. Oz - Mágico e poderoso (Oz, The Great and Powerful)
Estréia: 01 de Março
Fantasia - Prelúdio de O Mágico de Oz, contado do ponto de vista do mágico e explicando como ele chegou em Oz.
Dir.: Sam Raimi
Com: James Franco, Mila Kunis, Rachel Weisz, Michelle Williams

08. Se puder... Dirija! (Brasil)
Estréia: 05 de Abril
Comédia - João é um manobrista, pai ausente, que resolve pegar emprestado um carro do estacionamento para encontrar o filho. Porém, as coisas não saem como planejado. Primeiro longa nacional 3D em carne-e-osso.
Dir.: Paulo Fontenelle
Com: Luiz Fernando Guimarães, Lavínia Vlasak, Leandro Hassum, Barbara Paz.

09. Universidade Monstros (Monsters University)
Estréia: 21 de Junho
Animação -  Uma visão do relacionamento entre Mike e Sulley durante o período em que estavam na Universidade do Terror, antes de entrarem para a Monstros S.A.
Dir.: Dan Scanlon
Vozes: Billy Crystal, Steve Buscemi, John Goodman, Jennifer Tilly.

10. Jurassic Park 3D (Idem)
Estréia: 30 de Agosto
Aventura - Relançamento em 3D do sucesso Parque dos Dinossauros, de 1993. (Pode entrar sim pro Top 10, por que não??? - Era inclusive para estar no Top 5!)
Dir.: Steven Spielberg
Com: Jeff Goldblum, Sam Neil, Laura Dern, Samuel L. Jackson.

Correram por fora:
Jack – O matador de gigantes (Jack the Giant Slayer) - 08 de Março
Uma história de amor e fúria (Brasil) - 05 de Abril
Oblivion - 12 de Abril
O Cavaleiro Solitário (Lone Ranger) - 12 de Julho
Pacific Rim - 09 de Agosto
The Hobbit: The Desolation of Smaug - 13 de Dezembro

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

McCallister, Kevin McCallister


Agora que já deu tempo de todo mundo ver 007 - Operação Skyfall (e todo mundo deveria ver), gostaria de compartilhar um comentário.

Antes de qualquer coisa, ressalto que este é provavelmente um dos melhores filmes do espião inglês da história, certamente o melhor que já vi no cinema (o que não seria grandes coisas, pois só vi na telona a partir da era Pierce Brosnan - mas, a lista inclui o excelente Cassino Royale). A fotografia é impecável, a trilha sonora inspirada, a atuação de Javier Bardem um espetáculo à parte e, finalmente, temos um filme que consegue mesclar o realismo do 007 da era Daniel Craig com o humor e Bondismos da era clássica.

Dito isto...

Sou só eu ou mais alguém ficou com a desagradável sensação de que o clímax ficou mais para comemoração dos 22 anos de Esqueceram de Mim que dos 50 anos de James Bond?


domingo, 2 de dezembro de 2012

Uma nova esperança ou o ataque dos clones?


Assim que a compra da Lucasfilm pela Disney foi anunciada, especular quem será o próximo diretor da saga Guerra nas Estrelas se tornou um dos passatempos preferidos da comunidade internauta.

Para passar tempo por aqui também, eis alguns candidatos possíveis (mesmo que não prováveis) e seus resultados prováveis (mesmo que não desejáveis):


Christopher Nolan
Star Wars: Episode VII: The Dark Side Rises -Uma facção clandestina de Jedis desenvolve a técnica do truque de manipulação da mente para tentar implantar ideias que levem à dissolução de uma corrente autoritária do Lado Negro que vem aparecendo na Nova República. O Mestre Jedi manipula a mente de um Jedi comum para manipular a mente de um Padawan, fazendo com que este manipule pessoas do alto escalão da República. É a maior viagem e difícil de acompanhar quem está manipulando quem, mas é muito legal.

Ang Lee
Star Wars: Episode XXIV: The Empire BrokesBack - É um período de guerra por direitos civis. O Lado Rosa da Força vem crescendo e se espalhando por toda a Galáxia. Luke Skywalker passa por crise existencial de meia-idade e tenta dominar seus sentimentos por Han Solo para evitar um conflito familiar com sua irmã Leia. Apesar da ordem Jedi ter regras claras como "Um Jedi não deve conhecer o amor" e "Bicha depois de velho é feio", Luke resolve sair do compartimento de carga da Millenium Falcon e muda seu sabre de luz de verde para rosa-cheguei.

Chris Columbus
 Star Wars: Episode XXV: A New Home Alone - Após passagem por Tatooine, Leia e Han acabam esquecendo por lá o seu filho, Taenia Solo. Dois Siths das antigas, que fugiram de Azkaban, partem para o planeta com a intenção de sequestrar o único descendente dos Skywalker (já que Luke não vingou, vide o episódio anterior). Agora esse garotinho vai viver altas aventuras, colocando armadilhas por Mos Eisley, com ajuda de Jar Jar Binks, para se livrar dos bandidos.

Joe Dante
Star Wars: Episode XIII: Return of the Mogwai - Na Lua de Endor uma expedição da Federação do Comércio realiza busca por novas espécies de animais domesticáveis. Acidentalmente, um Mogwai é molhado e suas crias são alimentadas depois da meia-noite, fuso de Alderaan. Mestre Yoda é chamado para conter a horda de Gremlins e acaba fazendo a revelação bombástica para o Mogwai original: "Eu sou seu pai!".



Ridley Scott:
Star Wars: Episode -I: The Ultimate Prequel - Mesmo toda a saga já sendo "muito tempo atrás numa galáxia muito, muito distante", este episódio se passa mais tempo atrás ainda. R2-D2 e C-3PO se refugiaram no remoto e gelado planeta Hoth, pois há um caçador de andróides à solta (que, por sinal, foi clonado em Kamino a partir do Han Solo quando criança). A Aliança Rebelde descobre que experiências genéticas estão acontecendo no planeta LV-426 e uma nova e ameaçadora espécie alienígena está prestes a surgir. Nada na trama faz sentido, mas o espectador vai tentar amarrar tudo pra dar uma credibilidade ao diretor.


Posts relacionados: Como seriam Exterminador do Futuro e Superman com outros diretores?

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Furo em Lost


Hoje, pensando em Lost, me dei conta de que a série tinha uma falha em coerência lógica com a realidade.

Vejam bem: vai me dizer que um voo SYDNEY - Los Angeles, Boeing 777 com 324 passageiros a bordo, acidentado com 72 sobreviventes que incluíam Iraquiano, Britânico, Coreano, Brasileiro, uma penca de Americano, um cachorro e um morto-vivo, tinha só UMA Australiana???


Urso polar, sociedade secreta, monstro de fumaça, viagens temporais, anomalias magnéticas, números mágicos, homem que nunca envelhece, menino que envelhece rápido demais e gordo que não emagrece em uma ilha remota, tudo isto é tranquilo e aceitável.

O que me assustou foi este fator australiano ter passado batido e eu ter ser sido enganado por uma série com uma falha absurda dessas!!!

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Um distúrbio na força


Por volta desta mesma época, em Novembro de 2008, eu dava o pontapé inicial este blog. Lá se vão 4 anos.

Muitas coisas acontecem em 4 anos. Inclusive mudanças de opinião. Inclusive minhas.

Mas não tão radicais, certo?

Vejam, por exemplo, o que dizia George Lucas em uma entrevista à revista Total Film, também em 2008:

"Eu deixei instruções bem explícitas na Lucasfilm para que não sejam feitos mais filmes. Definitivamente não haverá os Episódios VII a IX. Isto porque não existe mais história. Eu nunca pensei em nada mais. E agora existem livros sobre eventos após o Episódio VI, que não têm nada a ver com o que eu faria. A história de Star Wars é realmente sobre a tragédia de Darth Vader. Essa é a história. Depois que Vader morre, ele não volta à vida, o Imperador não é clonado e Luke não se casa..."

Mais uma vez, como disse um velho amigo: "só os loucos e os mortos não mudam de opinião". Neste caso, loucos de não quererem embolsar USD 4bi só pra não deixarem a Disney fazer o que quiser com Star Wars (de repente até mesmo casar o Luke e dar uns filhos pra ele).


PS.: Antes que digam que estou chamando o Lucas de mercenário, acho louvável que ele tenha anunciado que a maior parte deste dinheiro vai pra doação. E antes que digam que estou pessimista com relação ao futuro da franquia, sinceramente, não é o caso: depois dos Episódios I e II, não tem como ficar pior.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Já vai tarde


Já imaginou o mundo sem Festim DiabólicoJanela IndiscretaUm Corpo Que Cai  e Psicose? E sem Os Bons Companheiros, Os Infiltrados, Ilha do Medo e A Invenção de Hugo Cabret? Ou, ainda, sem Jurassic Park, A Lista de Schindler, A.I. Inteligência Artificial e Munique???

Pois assim seria o mundo se Alfred Hitchcock, Martin Scorsese e Steven Spielberg fossem tão inteligentes, sofisticados e talentosos quanto Quentin Tarantino.

(nível máximo de ironia, ok?)

É chover no molhado dizer o quanto não gosto do Tarantino, sobretudo de seu egocentrismo, mas a última mediocridade que saiu da boca dele beira o absurdo e deve revoltar qualquer um que goste de cinema. Em entrevista à Playboy ele deu dicas sobre sua aposentadoria:

"Não quero ser um cineasta da terceira idade. Quero parar quando chegar a hora. Os diretores não ficam melhores quando ficam mais velhos. Normalmente, os piores filmes de seus currículos são os quatro últimos. Eu zelo muito pela minha filmografia. Sei que uma produção ruim irá estragar três filmes bons." (...) "Seria bom parar em 10. Já fiz sete. Se houvesse uma história nova, até poderia voltar, mas seria satisfatório terminar tudo com 10 filmes."

Aposenta logo, cara, principalmente de entrevistas e aparições em público.


domingo, 11 de novembro de 2012

Deutsch Filme


Em 1993, quase 20 anos atrás, declarei de que "não gostava de filmes estrangeiros". Até hoje sou condenado por isso.

Claro que nunca vou conseguir fugir do absurdo da minha definição de "filme estrangeiro" na época: 'filmes não falados em português ou inglês'. Mas, mereço redenção com relação à ideia da declaração como um todo. Eu era bem novo, aficionado por ação e ficção-científica e tinha poucas amostras para trabalhar. Naturalmente, hoje meu pensamento é bem diferente e existem inúmeros filmes "estrangeiros" que aprecio fortemente.

Pensei em fazer posts esporádicos sobre este tema, e esta semana especificamente deu vontade de publicar os que considero como os cinco melhores filmes alemães até hoje:

Corra, Lola, Corra (Lola Rennt)

 

A Queda! As Últimas Horas de Hitler (Der Untergang)


A Vida dos Outros (Das Leben der Anderen)


Metrópolis (Metropolis)


 O Barco - Inferno no Mar (Das Boot)


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

domingo, 28 de outubro de 2012

Em tempo pro Halloween


Talvez intimidado por suas 1073 páginas, enrolei pra começar a ler Under The Dome (Sob a Redoma, como foi chamado na edição nacional), do Stephen King. Mas foi tão difícil largá-lo quanto foi pegá-lo. Quis o irônico destino que eu terminasse de lê-lo no mesmo dia em que a história se encerra: às vésperas do Halloween.


Não sou fã de terror, julgo existir pouquíssimos filmes realmente bons do gênero, e acredito que os melhores trabalhos (julgando pelas adaptações cinematográficas) do Sr. King são quando justamente ele foge do estilo que o fez famoso. Porém, quando a Dreamworks Television adquiriu os direitos para fazer uma série e escalou um dos roteiristas de Lost para comandar a adaptação, resolvi dar mais uma chance ao mestre do terror.

Acabou que a narrativa, apesar do clima pré-Halloween, não é um terror tradicional, com espíritos do além, monstros ou psicopatas mascarados, mas sim um ensaio sobre várias faces da crueldade humana. Sobretudo da crueldade do homem para com sua própria espécie e para com a natureza.

Realmente o livro tem todos os elementos necessários para virar uma boa série: mistério, suspense, ação, múltiplas sub-histórias e vários personagens interessantes que podem ser agregados, como também podem ser (e certamente serão) excluídos, ao longo das temporadas. Entretanto, apesar de ter espaço para extrapolar o texto original, a série só seria perfeita se já nascesse com uma quantidade definida de temporadas, o que é praticamente impossível na realidade da TV americana. E certamente será necessário dosar bem e filtrar um pouco da perversidade e da violência gráfica contidas no livro, transformando o material em um formato mais amigável e compatível com o horário nobre da televisão.


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Calling Elvis


O mundo andou celebrando os 35 anos da morte (ou não - há controvérsias) de Elvis Presley.

Como tendo a gostar bastante de suas músicas, especialmente os hits como "Hound Dog", "Don't Be Cruel", "Blue Suede Shoes", "Love me Tender", "Jailhouse Rock", "Can't Help Falling In Love", "Suspicious Minds", "Always On My Mind" e até "A Little Less Conversation", pensei que seria legal deixar um post aqui pra não passar batido.

Infelizmente não posso comentar sobre seus filmes, pois confesso que não vi nenhuma das 31 produções nas quais que atuou entre 1956 e 1969. Portanto, vou apenas relembrar frases marcantes que fizeram menção à ele em filmes mais recentes:

Lilo & Stitch
"Elvis Presley was a model citizen. I've compiled a list of his traits for you to practice. Number one is... dancing!"

 Independence Day
"Elvis has left the building!"

Os Fantasmas se Divertem
"That's very nice work. Let me ask you something. How do you get them so sma... Hey, there goes Elvis! Yo, King!"

Os Caça-Fantasmas
"As they say in T.V., I'm sure there's one big question on everybody's mind, and I imagine you are the man to answer that. How is Elvis, and have you seen him lately?"

MIB - Homens de Preto
"- You do know Elvis is dead, right?
 - No, Elvis is not dead. He just went home."


PS.: Como o blog é censura livre, Amor à Queima Roupa foi deixado de fora propositalmente.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Ruela Brasil


Não escondo de ninguém meu desagrado por novelas...E, claro, não assisto. Mas, o apartamento é pequeno e uma coisa ou outra acabo vendo de relance. E acabo descobrindo que os roteiristas não se cansam de me surpreender. Negativamente, claro.

Avenida Brasil é uma novela na qual toda vez eu pescava alguma coisa sempre tinha alguém tramando algo de mau contra outra pessoa, ou alguém fazendo o mal na prática contra outra pessoa. (Acho que fiz o uso correto de 'mau' e 'mal' nessa frase). Ou seja, aquela síndrome do Stephen King, de que situações extremas afloram as maldades interiores dos seres humanos, não se aplica à esta novela. Aqui as pessoas são más sempre. E não é que o povo gosta disso?

Os roteiristas estão dispostos a qualquer coisa pelo IBOPE. Já cansei de ver, por exemplo, novelas copiarem quase que literalmente cenas de séries ou filmes americanos. Porém, o cúmulo eu vi hoje.

A situação é a seguinte: mataram um personagem, Max, exatamente uma semana antes da novela acabar, sem revelar o assassino, pra garantir (ou aumentar) a audiência. Não que um pouco de mistério seja ruim, Lost se sustentou muito bem por 6 temporadas assim. Mas é impressionante como que o mistério da Globo é sempre o velho "Quem matou X?". Cadê a critividade?

O que vi hoje e que me espantou (embora nem saiba por quê - já era de se esperar), foi uma cena em que vários personagens estão discutindo num bar sobre quem tinha motivos pra matar o tal Max. "Fulaninha é má, só pode ser ela!""Mas, peraí o num-sei-quem foi chifrado pela vítima, então pode ser ele também" "Olha só, a esposa foi tão chifrada quanto, e ela estava no local do crime!""Mas vocês estão se esquecendo da mãe do num-sei-quem, que é super-protetora""Peraí, o tiãozão sei-la-quem também não gostava do cara"... e por aí vai.

Reparem na RIDICULARIDADE desta cena: enquanto até os mais medíocres roteiros (e livros) de whodunit deixam os espectadores (e leitores) seguirem as pistas sozinhos e decidirem quem são os suspeitos, a Rede Glooooabo subestimou totalmente a inteligência de seu público e fez com que personagens tomassem o papel dos telespectadores. Quem acompanha a novela deveria discutir o capítulo num bar (ou no local de trabalho, que seja) no dia seguinte, não os personagens!


E o povo embarca nessas, em massa. Mas, esse é o Drama de um país que acha que Comédia é um bando de personagens caricatos repetindo bordões.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

And here's to you, Mrs. Robinson


As pessoas simplesmente assumem que algumas coisas são boas (e que errado é quem não gosta).

Ostra, escargot e comida japonesa; Bob Marley, Raul Seixas e Legião Urbana; Oliver Stone, Quentin Tarantino e Woody Allen.


A trilha sonora de A Primeira Noite de um Homem

Créditos iniciais ao som de 'The Sound of Silence'.

"Songs by Paul Simon
 Sung by Simon and Garfunkel"

Não tem como dar errado, certo?

Vinte minutos (ou por aí) a mais de filme e... lá vem outro hit de Simon & Garfunkel...

Não. É 'The Sound of Silence'. De novo.

Segundo terço do filme começa.

Ah! 'Scarborough Fair'.

É, essa trilha é sensacional, mesmo.

Mais uns vinte minutos (ou por aí) e...

...'Scarborough Fair'? De novo?

Hmmm...

Terceiro Ato iniciando. Será que vai rolar 'Mrs. Robinson' só no fim do filme? A trama se passa em torno de uma personagem chamada Sra. Robinson! Tem que rolar. E logo.

Opa! Olha ela aí! Só assoviada, mas rolou. OK.

Mais alguns minutinhos... e olha ela aí de novo. Instrumental, só o refrão cantado, uma vez.

Estranho.

Tá acabando o filme.

Créditos finais e...

...'The Sound of Silence'. Mais uma vez.

Sério?

Por mais que tentem enaltecê-la,  a verdade é que esta é uma das trilhas mais preguiçosas da história do cinema.


domingo, 30 de setembro de 2012

Prometheus... e não cumprius.


Ridley Scott promete respostas no Blu-Ray de Prometheus.

Essa é a manchete da semana no mundo do entretenimento. Uma patética manchete, por sinal.

Sempre defendi que um filme deveria falar por si mesmo. Argumentos como "você não entendeu o filme porque não leu o livro" ou "você tem que assistir aos nove episódios do Animatrix para entender o Matrix Revolutions" são extremamente irritantes. Imagina - você começa a tomar um remédio para um problema específico aí, de repente, o médico diz: "Eu não te contei toda a história: você tem que tomar uma injeção diária complementar por seis meses para estes comprimidos fazerem efeito". Para realmente aproveitar um filme, você tem que comprar o Blu-Ray e ver cenas excluídas ou a versão estendida???

Pois vou te contar uma coisa, Sr. Scott. Não vou ver o Blu-Ray "revelador" de Prometheus, simplesmente porque, como diria Rhet Buttler, "Frankly, my dear, I don't give a damn".  É exatamente isto. As perguntas levantadas pelo filme foram tão sem graça ou tão mal elaboradas que eu não tenho a menor curiosidade em saber as respostas. Fico inclusive assustado (e decepcionado) ao perceber que Damen Lindelof é um dos co-roteiristas do filme. Eu esperava que um ex-co-produtor de Lost, o melhor lugar para se encontrar as melhores perguntas - e algumas boas respostas,  conseguisse fazer um trabalho melhor, principalmente se o objetivo era levantar perguntas intrigantes.



A seguir SPOILER do filme

Ridley Scott gastou meses de pré-lançamento (e metade de seu filme) prometendo uma ficção-científica inteligente e questionadora sobre a origem humana, que NÃO seria uma pré-continuação da série Alien. Mas, tudo o que ele conseguiu fazer foi justamente uma história que mostra, insatisfatoriamente, como surgiu o primeiro Alien.

Por que David infectou Charlie? Por que ele salva a Ripley... ops... Elizabeth Shaw? Por que os Engenheiros estão bravos? O que aconteceu ali naquele planeta? Para onde David e Shaw vão? Por que não colocaram um ator velhinho no lugar de um Guy Pearce com uma maquiagem ridiculamente artificial?

Não preciso do Blu-Ray pra responder, com outra pergunta: Quem se importa?

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Pra não dizer que não falei das flores


Nessa longa estiagem, não só de chuvas em BH mas de posts no blog, dei uma passadinha aqui pra molhar as plantas.



ATUALIZAÇÃO: E não é que a água caiu?



sábado, 8 de setembro de 2012

Like a rolling stone...


William Shatner, em 2006, e Gene Simmons, em 2009, venderam as pedras que expeliram dos seus rins. O eterno Capitão Kirk arrecadou USD 75mil do GoldenPalace.com e doou o dinheiro para o Habitat for Humanity. O rockeiro do Kiss também doou os USD 15mil que conseguiu no eBay pela sua.



Já que a(s) minha(s) está(ão) saindo... Quem sabe não arrecado uma grana?
E faço uma doação para mim mesmo?


PS.: Tive que espalhar copos pela casa, pra ver se tomo a quantidade indicada de água. Acho que sobrevivo facilmente a uma invasão alienígena.


quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Filmes para refletir hoje


O que um elogiado drama baseado em fatos reais, uma adaptação de quadrinhos recheada de ação e efeitos visuais e uma comédia independente sarcástica e inteligente têm em comum?

O dia de hoje.

Não entendeu?

Então é porque falta assistir aos três filmes abaixo. Ou pesquisar no Google coisas como "29 de Agosto" e "dia nacional".



O Informante


Constantine

Obrigado Por Fumar

Eu sugiro os filmes em vez do Google. São boas opções em estilos bem diferentes: pelo menos um deles vai agradar. Na pior (ou melhor, no caso) das hipóteses, fica a mensagem que ecoa nas três produções.

Cuidem-se. 
 

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Mantenha a calma e adivinhe o filme


A internet é cheia de modas... É meme, é Mussum, é sei-la-o-quê. Uma não tão recente, mas que ainda é forte e até já se expandiu para camisetas, cartazes, etc., é a do "Keep Calm...".

Em 1939, o Governo Britânico fez um cartaz motivacional escrito "Keep Calm and Carry On" (algo como "Mantenha a Calma e Continue") para ser espalhado pelo país, caso houvesse uma invasão nazista. Naturalmente, ele não precisou ser usado e acabou ficando na obscuridade, até ser redescoberto por acaso em 2000. De lá pra cá, caiu em domínio público e na graça de publicitários e engraçadinhos, que passaram a fazer variações com a segunda parte do lema, criando uma infinidade de slogans ou frases de impacto como "Keep Calm and Have a Beer", "Keep Calm and Listen to the Beatles", "Keep Calm, You're Only 30" e por aí vai...


Algumas das criações que vi fazem referências a filmes, como "Keep Calm and Call Batman", "Keep Calm, We Have a Hulk" ou "Keep Calm and Expecto Patronum"...

Na onda, resolvi criar (ou pelo menos acho que criei, não sei se já existem) algumas próprias. Tentem adivinhar a quais filmes estas 20 frases fazem referência:  (tá fácil... mas se não der, é só marcar na frente do texto com o mouse que a resposta aparece)


Keep Calm and Use the Force (Guerra nas Estrelas)
Keep Calm and Save Ferris (Curtindo a Vida Adoidado)
Keep Calm, Where We're Going We Don't Need Roads (De Volta Para o Futuro)
Keep Calm e Traz a 12 (Tropa de Elite)
Keep Calm and Hakuna Matata (O Rei Leão)
Keep Calm and Carpe Diem (Sociedade dos Poetas Mortos)
Keep Calm and Take the Red Pill (Matrix)
Keep Calm, It's Alive! (Frankenstein)
Keep Calm and Follow the Yellow Brick Road (O Mágico de Oz)
Keep Calm and Spin the Top (A Origem)
Keep Calm and Call It, Friendo (Onde os Fracos Não Têm Vez)
Keep Calm, I Am Your Father (O Império Contra-Ataca)
Keep Calm and Don't Panic (O Guia do Mochileiro das Galáxias)
Keep Calm, I'll Be Back (O Exterminador do Futuro)
Keep Calm and Phone Home (E.T. O Extra-Terrestre)
Keep Calm and Get a Bigger Boat (Tubarão)
Keep Calm, Life's a Box of Chocolates (Forrest Gump)
Keep Calm, Here's Johnny (O Iluminado)
Keep and Don't Move! He Can't See Us If We Don't Move (Parque dos Dinossauros)
Keep Calm and Nuke the Fridge (Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal)

E você? Qual seria sua criação?...

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Que fim levou Batman?


Christopher Nolan divulgou em nota que nunca planejou seu Batman como uma trilogia. E mesmo tendo feito de Batman Begins um filme único e, posteriormente, de Cavaleiro das Trevas sua única continuação, sem pontas propositalmente soltas, o diretor conseguiu transformar Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge em uma excelente conclusão para o que acabou parecendo ser um mesmo filme, de sete horas e meia de duração. Remetendo a elementos, temas e personagens das histórias anteriores,  o Ressurge funciona não só como uma jornada incrível separadamente (com ótimas atuações, um vilão ameaçador, cenas de ação de tirar o fôlego, excelente trilha sonora, etc.), mas também como um fim satisfatório de uma saga.

Os minutos finais, especialmente, são de uma grandiosidade emocional de fazer o público vibrar e bater palmas, como nos cinemas de antigamente. É de se estranhar que algumas pessoas não tenham gostado de certos aspectos ou que até tentem argumentar que existe ambiguidade no que é apresentado.

ATENÇÃO: O texto contém SPOILERS, leia somente se tiver assistido.

Ao contrário de A Origem, Christopher Nolan não deixa espaço para dupla interpretação. Enquanto na sua incursão ao mundo dos sonhos o diretor deixa o espectador preso à ótica do personagem de Leonardo DiCaprio, neste Batman não há porque interpretar o final como um sonho ou imaginação de Alfred. São apresentados os pontos de vista de vários personagens, não só o do mordomo - Lucius Fox  descobre que Bruce Wayne deu um jeito no piloto automático do Morcego, Jim Gordon encontra o bat-sinal consertado, John Blake busca os itens deixados por Wayne em seu testamento (mas que claramente foram deixados lá após sua "morte"). A não ser que eles estejam em um sonho coletivo e que o nome original do filme seja Batman: Inception Reloaded, a ambiguidade está descartada. Sábia e maestralmente Nolan dá um desfecho compensador aos personagens principais de sua saga: Alfred (em uma emocionante e impagável atuação de Michael Caine) vê seu sonho se realizar;  Lucius Fox descobre a verdade sobre o destino de Wayne; e este, por sua vez, finalmente encontra paz sobre as mortes que modelaram sua vida.

E quanto ao Batman?

Muitos reclamaram que Nolan não teve "coragem" de matar o homem-morcego. Mas, se tantas vezes os quadrinhos e o cinema já ressuscitaram tantos super-heróis, para que perder tempo matando literalmente o personagem? Entendam, Batman morre, sim, ao final da projeção. O Bruce Wayne mostrado em Florença é claramente um Bruce Wayne bem diferente, "livre" daquela sua outra personalidade que cada vez mais o consumia psicologicamente e o destruía fisicamente. "Ou você morre herói, ou você vive o suficiente para se tornar o vilão", certo? Batman morre, e um novo Bruce Wayne surge (de repente até com nova identidade e passado, ajudado pelo software que passou para Selina Kyle).

Batman morre e, mais do que executar um simples sacrifício heroico e altruísta, cumpre a função que todo herói deveria cumprir: deixa um legado, um exemplo, uma fonte inspiradora para que haja continuidade naquilo que a humanidade deveria abraçar - Praticar o bem vale a pena, o bem é o que prevalece e perpetua.


Chamem esta continuidade de Robin, Asa Nortuna, Batman 2.0, o que for. Eu não me importo. Eu simplesmente me levanto e aplaudo Christopher Nolan.


quinta-feira, 26 de julho de 2012

Onibusfobia


Pegar ônibus parou de ser interessante: antes se economizava R$ 1,50, ao ler um Estado de Minas sobre o ombro do passageiro do lado; agora se economiza apenas R$ 0,25, pois o pessoal insiste em só comprar esses jornais sensacionalistas, como o Super Notícia.

O lance é que se tem a opção de simplesmente não ler as porcarias dos demais passageiros. Mas ouvir, não há como evitar:

- O diretor disse que a maior dificuldade foi achar um vilão que fosse à altura do Coringa.
- Ah, não tem como.
- Então ele investiu pesado em efeitos especiais.
  (como é que é a lógica???)
- Por quê? Não conseguiu um ator bom?
  (sério que faz sentido?)
- Conseguiu. Mas bom ator mesmo é o que faz o Batman. E ele disse que este papel foi a melhor coisa que aconteceu na carreira dele.
  (ele disse isso antes ou depois de ganhar um Oscar?)
- É verdade, mas ele já começou bem. Com O Nome da Rosa ele já começou atuando ao lado de Sean Connery!
  (jesus! ah, é tudo "christian"mesmo, né?)
- Pois é... Ele fez um outro filme muito bom também... De mágico. É ele contra aquele ator que fez o Wolverine.
- Ah!... O Ilusionista!
- Esse mesmo!!! Muito bom.
  (nãão!!! moço, me dá um Super Notícia, rápido!)


domingo, 15 de julho de 2012

Coleção Rocky Completa


No estilo Facebook...


terça-feira, 10 de julho de 2012

A Marvel em apuros


Os Vingadores ganhou a simpatia da crítica e rendeu perto de US$ 1,5 bilhão no mundo inteiro, tornando-se a 3a. maior bilheteria da história. Com isto a Marvel pode relaxar que o leite dos meninos está garantido para as próximas décadas, certo? Bem, até pode, mas não deveria.

Só o sucesso de um filme não garante a longevidade (dos lucros) de uma franquia. Nenhuma continuação daquele que é considerado o primeiro blockbuster da história, Tubarão, conseguiu respaldo de público ou crítica. Os executivos insistiram até o quarto segmento, na expectativa de espremer alguma coisa na carona do original. Mas, o mundo teria sido bem melhor se nenhuma continuação tivesse existido. Inclusive para a Universal Studios.

Para quem acredita que é impossível um fracasso similar dos derivados de Os Vingadores, basta lembrar do Titanic (o navio que nem Deus afundaria, não o filme) e analisar os seguintes pontos que podem colocar a Marvel em apuros:


1) A interdependência das histórias

A Marvel fez um bom trabalho ao criar um alicerce (e um clima) com os filmes que antecederam Os Vingadores. Mas, e agora? Homem-de-Ferro 3 já está sendo filmado e as sequências de Thor e Capitão América já estão em pré-produção. Como fazer para que os espectadores não tenham o impulso de questionar as situações em que os heróis se encontrarem em seus filmes-solo? "Pô, Homem-de-Ferro, você ficou amigão do Bruce Banner... Chama o Hulk aí pra te dar uma mão!" "Ô Capitão-América mané! Se o Gavião Arqueiro aparecer pra meter flecha nessas caras, você manda escudo naqueles outros ali e tudo se resolve!" A solução está no desenvolvimento de roteiros bons e cuidadosamente preparados, porém quando um estúdio já monta um cronograma de lançamento de continuações sem nem ter roteiristas definidos ainda, a desconfiança fica grande.

Thor 2 já tem um problema que fatalmente se estenderá a todo universo Marvel no cinema, caso não haja um planejamento definido. Sem colocar spoilers, basta apontar que os eventos ocorridos com o personagem título e Loki, após o final de Thor, parecem ter sido ignorados em Os Vingadores. Então a continuação "perderá" tempo explicando o que ocorreu nesta linha do tempo, correndo o risco de entediar o público com a sensação de "já sei como isso termina"? Ou a abordagem será de continuar diretamente de onde Os Vingadores acaba, correndo o risco de deixar a franquia de Thor sem continuidade ou coerência lógica?

À medida que a teia de histórias começa a crescer, mais difícil fica de amarrar todas as pontas.

2) Os vilões (quais?)

Ao final de Batman Begins, o futuro comissário Gordon entrega a Batman o cartão de visita da próxima ameaça a Gotham: uma carta de baralho, o Coringa. Com esta simples imagem, já está estabelecida a expectativa para o próximo filme. Enquanto a DC Comics possui vários vilões no consciente coletivo pop, pouquíssimas pessoas sabem nomear algum nêmesis da atual formação dos Vingadores. Quase ninguém saiu do filme do homem-morcego com dúvidas do que estava por vir, mas a grande maioria que viu a cena "pós"-créditos de Os Vingadores ficou sem saber exatamente do que se tratava. Somente os mais aficionados identificaram o megavilão dos quadrinhos, Thanos, deram sentido para o monólogo e se empolgaram com as possibilidades futuras. Mas, será que é possível fazer um filme na mitologia do Thanos que agrade ao público geral que gostou de Os Vingadores? Thanos é um titã, um ser de outro planeta, que nas HQs travou batalhas intergalácticas com os heróis da Marvel, cortejou a Morte (literalmente, personificada) e chegou a dizimar metade dos seres do universo só para impressioná-la (!?!?). Um pouco exagerado para vir na sequência de uma batalha aos arredores da Torre Stark, não? E Capitão América, Viúva Negra e Gavião Arqueiro colocariam roupinha de astronauta para lançar escudo, dar tiro e soltar flecha no vácuo? Contra um alienígena megapoderoso???

Mesmo que o bom senso reine e Thanos fique de lado por enquanto, a Marvel ainda continua sem vilões que "chamem" o público. A solução seria, diriam os fãs, partir para a linha da "Crise Infinita", aquela que nos quadrinhos trouxe os heróis travando uma guerra entre si. Mas, herói contra herói não foi o que já rolou em pelo menos metade de Os Vingadores? Mesmo responsáveis pelas melhores partes do filme (talvez por falta de "bons" vilões?), simplesmente repetir ou expandir os pontos fortes do primeiro raramente é uma boa saída para uma continuação. E, sinceramente, não é possível fazer uma 'guerra' entre apenas seis personagens... Então basta acrescentar outros personagens famosos da Marvel para alcançar sucesso. Claro! Mas...

3) Os malditos contratos

Antes de ser adquirida pela Disney, a Marvel já tinha cedido a Sony e Fox os direitos cinematográficos de Homem-Aranha, Motoqueiro Fantasma, X-Men, Quarteto Fantástico e Demolidor (o herói cego, não o Stallone-e-o-caso-das-três-conchas). Como os estúdios rivais não abrem mão da oportunidade de lucrarem com suas propriedades individualmente, a Marvel não pode usar estes heróis, nem seus vilões, nos filmes sob a batuta da Disney (como é o caso dos Vingadores).

Além disso, os contratos de múltiplos filmes com os atores trazem dois tipos de efeitos colaterais indesejados: a) o baixo nível de elemento surpresa e b) a dependência do desenvolvimento das histórias à renovações contratuais.

O efeito de a) fica em evidência com a divulgação que Chris Evans e Mark Ruffalo, por exemplo, têm contratos para seis, nove filmes com a Marvel. Quando Christopher Nolan anuncia que encerrará sua trilogia de Batman com O Cavaleiro das Trevas Ressurge e ainda escala Bane, um vilão que nos quadrinhos deu um destino trágico ao herói, a expectativa fica grande, pois qualquer coisa pode acontecer. Agora, se já é sabido que determinado personagem vai necessariamente aparecer em pelo menos mais quatro, oito filmes, o que está em jogo?

Já b) tem nome, sobrenome e um Jr na frente. Homem-de-Ferro 3 marca o fim do contrato de quatro filmes que Robert Downey tem com a Marvel. com isto, a produtora vai ter que desembolsar uma gorda quantia de dinheiro para não ter que partir para uma das duas opções: trocar o intérprete de Tony Stark (péssima saída  para qualquer franquia) ou propor uma nova formação para o grupo de heróis (tendo que, arriscadamente, apelar para personagens "B", já que os conhecidos já citados não podem ser usados). E enquanto esta situação toda não se resolve, o roteiro de Os Vingadores 2 não pode ser desenvolvido, ameaçando a criar mais um integrante da lista de continuações arruinadas por roteiros escritos (ou remendados) às pressas. 


Enfim, se não for muito bem cuidada, a fonte pode secar e a Marvel pode se ver enfrentando sua própria Crise Infinita.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Show de Quem?


Parte de um projeto do SESC Belenzinho em que bandas resgatam um disco clássico de sua discografia para uma série de shows, o Pato Fu vai tocar o repertório do álbum "Gol de Quem?", no final de Julho em São Paulo.



Particularmente, apesar de já acompanhar a banda na época deste ótimo CD de 1994, torço pra o show chegar a BH também. Aliás, iria ao show de qualquer álbum das antigas que o Pato Fu resolvesse tocar.

PERGUNTA: Se você pudesse escolher um álbum para um artista ou banda resgatar em um show hoje em dia, qual escolheria? (Até vale pensar em reunião da formação da época, mas tem que ser factível, ou seja, não vale ressuscitar ninguém! - o que, pra mim, elimina Beatles e Queen, de cara).

Acho que eu ficaria com um desses cinco...

Brothers in Arms (1985) - Dire Straits
Marvin the Album (1994) - Frente!
Se não Guenta, Por Que Veio? (1998) - Maskavo Roots
Tá na boa (1999) - Tianastácia
Estamos Adorando Tóquio (2000) - Karnak

E aí?

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Great Scott!


Dois anos atrás tive que perder um bom tempo respondendo a vários e-mails que anunciavam a comemoração, obviamente errada, do dia em que Marty McFly viajava ao futuro em De Volta Para o Futuro II.


Dois dias atrás, sem Facebook e Twitter, não tive a oportunidade de aletar a galera pra não cair no mesmo velho trote, reciclado...


Povo! Presta atenção: Hill Valley do futuro só em 21 de Outubro de 2015, beleza???

E não existe um cara que acordou na banheira de gelo sem os rins depois de ser dopado com "boa noite cinderela" num bar, ok?

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Mágica ilusão


Quatro fotos de bastidores de quatro clássicos de gêneros, épocas e estilos distintos, mas com um resultado: a magia do cinema...












sábado, 9 de junho de 2012

Paramount 100 anos


A Paramount Pictures completou 100 anos e divulgou um poster bacana, alusivo aos seus grandes lançamentos durante estes anos...

Clique para ampliar e tentar identificar todos os filmes:


terça-feira, 5 de junho de 2012

Personagem objeto


Neste feriado prolongado vai rolar o FITO - Festival Internacional de Bonecos em BH. A ideia central é que objetos podem ser personagens...

Claro, por que não? O cinema é uma prova de que existem centenas de objetos que praticamente se tornaram personagens de suas histórias, seja através de suas presenças importantes em uma cena famosa (como o chuveiro de Psicose), na composição de um personagem (como o chapéu ou o chicote do Indiana Jones), na relevância para o desenrolar de uma trama (como o anel de O Senhor dos Anéis) ou na carga emocional para os personagens (como o pião de A Origem).


E agora a parte mais legal deste post: atalho para um jogo on-line onde você adivinha o filme pelo objeto!

http://famousobjectsfromclassicmovies.com/

Como sempre, tem que colocar o nome dos filmes no original em inglês.

Não tenho como contar minha pontuação porque o jogo travou no Google Chrome na fase 14, aí começar do zero no Internet Explorer já sabendo o que ia rolar não vale.

Posts similares: Jogo das Risadas, Jogo do Quadro.

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Wagner Russo


No começo da semana recebi um e-mail em que a pessoa (cuja identidade não será revelada, pelos princípios de privacidade do blog) queria saber minha opinião sobre a participação do Wagner Moura como Renato Russo no Legião Urbana. O sentimento dela, "Puxa que bacana, o Wagner Moura neste papel, legal", era conflitante com o da irmã, "Ah ... Wagner Moura então acha que pode se passar por Renato", e como diziam que eu era fã do Legião meu parecer sobre o assunto era importante. Sua intenção era questionar isto no blog, então segue a reposta aqui mesmo.

Bom, pra começar, dizem errado por aí. Até imagino quem tenha sido o semeador da discórdia, mas eu sempre gostei muitíssimo pouco, praticamente nada, de Legião Urbana. Porém, vou dar um pitaco mesmo assim.

Assim que li o e-mail imaginei que se tratava de um filme onde Wagner Moura interpretaria o Renato Russo. No entanto, acabei descobrindo que o que estava rolando era uma reunião da banda para um (ou mais) show(s) com o Wagner nos vocais.

Em qualquer caso, meu veredito é que sua irmã exagerou.

Quando fui comentar a notícia de que Rodrigo Santoro poderia interpretar Ayrton Senna no cinema com um amigo também fã do piloto, a reação dele foi de decepção. Na sua visão, o ideal seria um ator desconhecido, para que o público conseguisse enxergar de fato o Ayrton nas telas, não o Santoro. Eu sou da linha que um bom ator, mesmo já famoso, consegue quebrar esta barreira. Se formos pensar só em alguns vencedores do Oscar nos últimos anos, sempre tive a nítida sensação de estar vendo Virginia Woolf, Truman Capote, Ray Charles, Rainha Elizabeth e Rei George IV e não Nicole Kidman, Phillip Seymour Hoffman, Jamie Foxx, Helen Mirren ou Colin Firth. E, certamente, Wagner Moura (assim como Rodrigo Santoro) tem talento suficiente para fazer o personagem transcender seu próprio estrelato.


Quanto ao caso real, da participação na banda, não conheço os dons musicais do Wagner para julgar tecnicamente (sequer o vi cantando Legião em O Homem do Futuro), porém não vejo problema algum. Afinal, ficou bem claro que se trata de um tributo, não de uma substituição de um membro da banda. Claro que este é um tipo de jogada caça-níquel, mas os fãs merecem o gostinho de rever o resto da banda na ativa e Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá precisam se sustentar financeiramente. O que não aprovo é quando uma banda assume uma postura em que fica parecendo que o integrante original é dispensável, saindo em turnês e/ou gravando albuns ou DVDs com um "substituto" (a exemplo de Queen + Paul Rodgers ou Mutantes + Zélia Duncan).  Pelo pouco que percebi, este não parece ser o caso do Legião Urbana + Wagner Moura.

Em suma, diga a sua irmã para não ter raiva do eterno Capitão Nascimento, porque é preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. Até eu consegui ser amável falando de Legião Urbana...

sexta-feira, 18 de maio de 2012

O Efeito Borboleta e A Vida dos Outros


Não me lembro bem, mas conta-se que aos 08 anos de idade eu não recebi muito bem a notícia de que iria ter um irmão. Provavelmente era o natural ciúme de criança falando. Claro que após o nascimento a rejeição foi embora e fiz questão de participar ativamente da sua infância.

Porém, também não me lembro bem o porquê, (mas provavelmente era a natural busca pela individualidade de adolescente falando) uma atitude se apoderou de mim nesta época. Como um Dom Cobb passei a plantar pequenas ideias na mente dele para que não gostasse exatamente das mesmas coisas que eu. Não sei como fiz e se de fato fui o único (ou principal) responsável por isto, mas o fato é que meu irmão decidiu ser cruzeirense e passou a preferir George Lucas a Spielberg, Eric Clapton a Dire Straits, Boston Celtics a Los Angeles Lakers. É, eu era uma pessoa horrível, mas só sei que passei a me arrepender amargamente depois.

Tenho certeza que ele não tem o que reclamar porque, tirando o lance do George Lucas, ele acabou se dando muito bem, afinal Eric Clapton é melhor guitarrista que Mark Knopfler, o Celtics continua com mais títulos que o Lakers, e o Cruzeiro... errr... bom, não vamos falar dos últimos 20 e poucos anos do Galo, né? Mas como eu disse, passada a crise da adolescência, meu arrependimento veio forte porque percebi que, com a incompatibilidade de gostos, acabamos tendo menos oportunidade para passar mais tempo fazendo coisas juntos.

O que me consola é acreditar que, no melhor estilo Corra Lola Corra, estas minhas interferências possam ter, mesmo que minimamente, influenciado sua vida e ajudado indiretamente na escolha do seu curso e da sua universidade, que acarretou em seu encontro com esta maravilhosa pessoa com quem se casa no dia de hoje. E, sendo assim, então volto a ter a consciência tranquila, certo de que contribuí para a felicidade que tomará conta de sua vida. 

domingo, 13 de maio de 2012

That 70's movie


Dando continuidade às minhas listagens de melhores filmes por década, eis os da era da Disco:

01. Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977)

02. Guerra Nas Estrelas (1977)

03. Tubarão (1975)

04. O Poderoso Chefão (1972) 

05. O Poderoso Chefão: Parte 2 (1974)

06. Alien, O 8o. Passageiro (1979)

07. Golpe de Mestre (1973)

08. Superman, O Filme (1978)

09. Um Estranho no Ninho (1975)

10. Encurralado (1971)

Ah, tão imaginando que fui tendencioso ao começar e terminar a lista com Spielberg, né? Fazer o quê, apenas fui sincero e coerente com meu gosto... A grande vantagem é que da década de 60 pra trás não há filmes dele no páreo.

Posts relacionados: Os melhores da década de 80, da década de 90 e da década 2001-10.