Pesquisar neste blog:

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Quatro estranhos


Dois documentários provaram estar entre as boas pedidas do ano.


"Quando eu conto minha história às pessoas, elas não acreditam. Acho que eu também não acreditaria se alguém me contasse mas, eu te afirmo, é a mais pura verdade." É com este excelente pontapé que o documentário sensação do ano, Três Estranhos Idênticos, abre. E daí até o final o espectador é conduzido por uma série de emoções em um belo exemplo de que o ato de se contar bem uma história independe se a mesma é uma ficção elaborada ou uma história real. A produção não se limita a simplesmente expor um caso, mas aproveita para abordar algumas discussões interessantes. Quanto menos se souber sobre o filme, melhor a jornada.

Três Estranhos Idênticos (Three Identical Strangers), 2018






Ao contrário, de Três Estranhos Idênticos, provavelmente quanto mais se souber sobre Fred Rogers maior é a apreciação pelo outro documentário badalado no ano, Won't You Be My Neighbor? Embora o filme faça um bom trabalho em estabelecer e contextualizar Mr. Rogers, como era conhecido, e seu longevo programa infantil, que foi ao ar na TV americana de 1968 a 2001, a conexão emocional com o material não é tão fácil para o público nacional. É possível enxergar a relevância da produção, que toca em temas atualíssimos que fazem paralelos à gestão Trump, e entender porque o público americano tem se emocionado com a celebração de uma figura genuinamente boa e ingênua em tempos tão cínicos e cruéis.

Won't You Be My Neighbor? (Won't You Be My Neighbor?), 2018




domingo, 2 de dezembro de 2018

Dez!


Novembro passou voando e um marco passou batido!

Foi no final de um mês de Novembro, em 2008, que este blog começou. Ou seja, o Padecin fez dez anos de existência!


Com mais baixos que altos e apenas 535 postagens, mas... persistindo. Afinal, uma ideia é a coisa mais resiliente que existe (aprendi em A Origem).

Agradeço a todos os meus leitores estes anos e, principalmente, aos que ainda continuam aparecendo por aqui (vocês cinco sabem quem são, rsrs).

E vamos seguindo. Por mais quanto tempo, sabe-se lá.

Quem sabe? (aprendi em  O Blade Runner - O Caçador de Andróides)

sábado, 24 de novembro de 2018

Uma imagem vale mais que mil nomes


Um colega me mandou a interessante escalação da Comic Con Experience em SP este ano:







 e...



Eu sabia que se o M. Night fizesse plástica demais ia acabar parecido com o Bruce Willis...

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Missão, Natal Out



Não muito diferente de outras franquias longevas, talvez já seja difícil dizer qual é exatamente o número do mais recente Missão Impossível. Mas, não muito diferente dos outros filmes dentro da franquia (tirando o II, claro), Efeito Fallout se mostra uma continuação sólida, senão superior ao seu antecessor. A não ser para os verdadeiros fãs da série, é fácil se perder em o que aconteceu quando e com quem, mesmo que os roteiros não sejam especificamente complexos. Mas, o que importa é que os filmes entregam ótimas sequências de ação, amparadas pelo carisma de Tom Cruise e sua mania de dispensar dublês, tornando cenas arriscadas mais emocionantes e, dentro do limite do impossível, críveis.

Missão: Impossível - Efeito Fallout (Mission: Impossible - Fallout), 2018





Eis que em 2018 O Grinch reaparece, na onda de reboot ou reinvenção, um novo público é o que te apetece, tentando conquistar uma outra geração. Do ritmo à linguagem visual, tudo é mais moderno nesta produção, o 3D já é pedida usual, assim como o CGI para animação. Com um roteiro mais amigável e infantil, mas por vezes preguiçoso, nas malvadezas o Grinch ficou mais sutil, e bem menos raivoso. Ao contrário de outras obras mais modernas, pros mais velhos há pouco agrado, sem piadinhas ou referências externas, tem adulto que vai ficar entediado. Talvez com o som original, e Benedict Cumberbatch no brado, até haja um atrativo adicional, que fica devendo no dublado. Mesmo assim vale a mensagem final, e o filme cumpre sua missão, anunciando o espírito do Natal, e enaltecendo o que vem do coração.

O Grinch (The Grinch), 2018




terça-feira, 13 de novembro de 2018

Uma noite na ópera e um dia na corrida



"Is this the real life? Is this just fantasy?" Parece até proposital que tenha sido escolhida a canção que se inicia com estes dizeres para dar título ao filme sobre o grupo britânico Queen. Por um lado, tem-se a atuação incrível de Rami Malek como Freddie Mercury, carregando a produção nas costas e ofuscando boas atuações de coadjuvantes (que parecem escolhidos a dedo pelas semelhanças físicas com seus personagens), e recriações meticulosas de eventos reais, com destaque para a eletrizante apresentação do quarteto no Live Aid. Por outro lado, tem-se anacronismos, desvios, omissões ou reinvenções de fatos e a suavização de elementos da vida pessoal de Mercury. Mas, os que criticam precisam entender que cinema não é aula de história e cinebiografias não são documentários. O roteiro é, de fato, esquemático e acrescenta pouco ao gênero e aos mais fanáticos com a banda, mas o filme se move com o poder de músicas emblemáticas e torna a história de um artista, e sua arte, acessível a uma gama muito maior de pessoas. "Anyway the wind blows..."

Bohemian Rhapsody (Bohemian Rhapsody), 2018




De forma recorrente durante seu primeiro longa-metragem, os integrantes dos Jovens Titãs ouvem "Vocês são uma piada!". E são mesmo. E isso é ótimo. Com referências incessantes à Warner, à DC, à concorrente Marvel (com direito a uma ponta surpreendente do, agora saudoso, Stan Lee)  e a outros ícones do universo pop-geek, a animação provê diversão pura simplesmente ao não se levar a sério. Bem como Os Simpsons: O Filme, não consegue deixar de parecer um episódio esticado para ser configurado como 'cinema', mas sem demérito algum. Pouco mais de um ano depois de LEGO Batman: O Filme, a DC conseguiu lançar sua segunda melhor produção em que reúne Batman com Superman. Nesse ritmo, o DCU se tornará descartável.

Os Jovens Titãs em Ação! Nos Cinemas (Teen Titans Go! To the Movies), 2018


segunda-feira, 24 de setembro de 2018

O terror, o terror, o terror...


Pra ir entrando no clima do Halloween...



"Se pelo menos servisse para nos unir mais" diz, em determinado momento de Hereditário, a desamparada personagem de Toni Collete na busca de um propósito face à gratuidade de uma tragédia que aplaca sua família. Porém, ela está diante da realidade amarga de que não há nada a mais, não há um bem maior e, infelizmente, esse é também o mote do filme como um todo. Na contramão das melhores produções de terror, cujos desfechos são recompensatórios ou cujas jornadas funcionam bem como metáforas, não há nada substancial de se tirar do enredo. Aterrorizante e perturbador, prefere chocar a assustar. Não recomendado para pais e mães. 

Hereditário (Hereditary), 2018






“A emoção mais antiga e mais forte da humanidade é o medo, e o tipo de medo mais antigo e mais forte é o medo do desconhecido.”  É com essa citação a H.P. Lovecraft que a produção independente O Culto abre e se sustenta. O clima é de constante apreensão, mas à medida que a trama faz a esperada transição de paranoia para sobrenatural, passa a perder viés de terror e vai mergulhando em ficção científica pesada. Interessante, mas aquém de outras produções de baixo orçamento, como o mais complexo Coherence, o mais acessível Complicações do Amor e o mais bem amarrado Crimes Temporais.

O Culto (The Endless), 2018






"O cérebro enxerga o que quer enxergar" é uma frase recorrente de Ghost Stories, um filme de fantasma tradicional que se faz valer também do humor (negro) britânico. Contando com pelo menos dois atores de destaque, Martin Freeman (o Dr. Watson de Sherlock) e Alex Lawther (de um dos episódios mais intrigantes -e deprimentes- de Black Mirror), a principal aposta é em sustos, muitos deles clichês, mas praticamente todos eficazes. O problema é que o roteiro se acha mais inteligente do que é e tira da manga um desfecho certo de que o público demandará mais uma assistida para pegar as pistas. Só que a conclusão não passa de anticlimática e batida (praticamente igual à de determinada produção de 2005).

Ghost Stories (Ghost Stories), 2018




sábado, 8 de setembro de 2018

Colhendo


Fim de almoço, TV ligada no 'Terras de Minas'. De repente, me dou conta que mudou para 'Só Toca Top'. Começa a tocar Harmonia do Samba e meu filho (agora com 7 anos) de olho.

- Tá na hora de trocar de canal, hein?!

- Mas, pai, vai ter Beatles no Só Toca Top!

- Não, filho, não vai.

- Vai! Eu vi um cara dos Beatles.

- Não, filho, não viu.

- Vi, sim. Um cara dos Beatles com violão.

- Não era um cara dos Beatles.

- Era, sim! Eu vi.

- Menino, era outra coisa, mas não Beatles!

- Era. Dos Beatles. Com violão.

- Não, não era!

- Eu vi e ponto final.
(pronto, não há mais como conter a irritação)

- Olha, um cara dos Beatles NÃO vai no Só Toca Top!

- Vaaaai.

- Não vai, não!
(ele aponta pro cara do Harmonia do Samba:)

- Eu vi esse cara aí antes e ele tá tocando agora, então o cara dos Beatles vai tocar também.

- Olha, se tiver um cara dos Beatles no Só Toca Top, você pode me chamar de Priscilla!!!
(3 segundos de silêncio, meu filho processando a informação)

- Ei Priscilla...

- Ou! Não!!! Não pode!

- Uai, pode! Eu vi um cara dos Beatles com violão no Só Toca Top.

- Não! É a partir de agora!

- É a partir de agora que eu tenho que te chamar de Priscilla?

- Não! Arrgh. É a partir de agora que tem que aparecer um cara dos Beatles pra você poder me chamar de Priscilla!
(silêncio permanece até o fim do Harmonia do Samba)

- Pai... do que é pra eu te chamar mesmo?

- De nada, menino!

- Não, se aparecer um cara dos Beatles, do que é pra eu te chamar?

- De nada! Você pode prestar atenção aí nessa porcaria de programa, que NÃO VAI tocar um cara dos Beatles.

- É de Priscilla, né?

- ...

- Mãe... me mostra uma foto dos quatro Beatles?