Pesquisar neste blog:

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

2016 - O que vem por aí...


Então vamos à minha lista dos filmes mais aguardados do ano:

01. O Bom Gigante Amigo (The BFG)
Fantasia - 30 de Junho
Dir.: Steven Spielberg
Com Bill Hader, Rebecca Hall, Mark Rylance


02. Silêncio (Silence)
Drama - Ainda sem data de lançamento
Dir.: Martin Scorsese
Com Adam Driver, Liam Neeson, Andrew Garfield

03. Assassin's Creed (Ainda sem título em português)
Aventura - 21 de Dezembro
Dir.: Justin Kurzel
Com Michael Fassbender, Marion Cotillard, Brendan Gleeson

04. Batman vs Superman: A Origem da Justiça (Batman v Superman: Dawn of Justice)
Ação - 24 de Março
Dir.: Zack Snyder
Com Ben Affleck, Henry Cavill, Amy Adams

05. Inferno (Inferno)
Thriller - 13 de Outubro
Dir.: Ron Howard
Com Tom Hanks, Felicity Jones, Ben Foster


06. O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares (Miss Peregrine's Home for Peculiars)
Fantasia - 18 de Fevereiro (EUA)
Dir.: Tim Burton
Com Eva Green, Samuel L. Jackson, Asa Butterfield

07. Rogue One: A Star Wars Story (Ainda sem título em português)
Aventura - 16 de Dezembro
Dir.: Gareth Edwards
Com Felicity Jones, Mads Mikkelsen, Forest Whitaker

08. Esquadrão Suicida (Suicide Squad)
Ação - 04 de Agosto
Dir.: David Ayer
Com Will Smith, Margot Robbie, Jared Leto

09. Duas refilmagens:

Ben-Hur (Ben-Hur)
Drama - 12 de Agosto (EUA)
Dir.: Timur Bekmambetov
Com  Jack Huston, Nazanin Boniadi, Rodrigo Santoro

As Caça-Fantasmas (Ghostbusters)
Comédia - 15 de Julho
Dir.: Paul Feig
Com Kristen Wiig, Melissa McCarthy, Kate McKinnon


10. Duas continuações:

Jason Bourne - Continuação ainda sem título
Ação - 28 de Julho (EUA)
Dir.: Paul Greengrass
Com Matt Damon, Julia Stiles, Alicia Vikander

Truque de Mestre 2 (Now You See Me 2)
Comédia/ Thriller - 09 de Junho
Dir.: Jon M. Chu
Com Jesse Eisenberg, Woody Harrelson, Lizzy Caplan

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Santa coincidência...


Revista Preview de dezembro, escolha a capa:



Revista Veja desta semana, escolha a capa:



Numa galáxia muito distante, nada se cria...

domingo, 20 de dezembro de 2015

O Adormecer da Força no Spielberg


Steven Spielberg raramente erra. Mas erra.

No começo do mês, após ter visto Star Wars: O Despertar da Força três vezes, o cineasta declarou que este poderia se tornar o maior filme de todos os tempos. Aqui fica o crédito pro cara que é o equivalente a um Jedi no mundo do cinema: ele não errou, só exagerou muito.

O caso é que o Episódio VII da saga criada por George Lucas é realmente muito bom. Conseguiu reunir e reciclar tudo o que deu certo na trilogia original e expurgou ou corrigiu tudo o que deu errado nos Episódios I, II e III.

Se os novos elementos e os novos personagens, sobretudo os de Daisy Ridley, John Boyega e Adam Driver, são interessantes o suficiente para sustentar o filme e gerar expectativa para mais dois terços de uma nova trilogia, o protagonista mesmo é Han Solo, seja pela ordem em que surge nos créditos (a primeira vez que um não-Jedi recebe a honra em toda a saga), seja por roubar sem cerimônias todas as cenas em que aparece.


Criando sequências de ação empolgantes e fazendo com que a Industrial Light & Magic voltasse a acertar a mão nos efeitos especiais, a maior contribuição de J.J. Abrams para Han Solo & cia. terem funcionando tão bem, certamente foi conseguir fazer com que o roteirista Lawrence Kasdan (de O Império Contra-Ataca e O Retorno de Jedi) retornasse à saga. Mesmo tendo uma estrutura muito, muito parecida (e até suspeita) com Uma Nova Esperança, o roteiro de O Despertar esbanja humor e emoção e se prova um trabalho de alguém que, além de competente, tem muita afeição por aqueles personagens e que conhece bem a dinâmica daquele universo.

É assim que O Despertar da Força evidencia um desses tais raros momentos em que Spielberg errou. Se Harrison Ford, mesmo mais velho, conseguiu fazer um Han Solo tão marcante e fiel ao original, imagina como teria sido o quarto Indiana Jones se Spielberg tivesse buscado o Lawrence Kasdan de Caçadores da Arca Perdida para assinar o roteiro...

sábado, 19 de dezembro de 2015

Amigo oculto


Quem não tem Instagram usa o Blogger:


Presentes de amigo oculto deste ano. Duplamente vintage, duplamente legal.

domingo, 13 de dezembro de 2015

Com algumas melhorias


Enquanto o mundo se prepara para matar saudade de Star Wars, com o Episódio VII: O Despertar da Força prestes a estrear, me bateu saudade de uma outra coisa também...

Em um dos momentos mais divertidos de LOST, uma série já lotada de referências à saga criada por George Lucas (http://lostpedia.wikia.com/wiki/Star_Wars), no episódio 13 da quinta temporada Hurley acaba revelando a Miles o que tanto rabisca em seu caderninho desde que voltaram ao passado...


Ele está reescrevendo o roteiro de O Império Contra-Ataca. É que como estão em 1977, e o primeiro Star Wars acabou de sair, ele está tentando poupar o trabalho de George Lucas para as continuações e quer já mandar os roteiros pra ele... "com algumas melhorias"!

Afinal, "Ewoks suck, dude!"

E agora, o co-criador de LOST, J.J. Abrams tem a sua chance de apresentar um Star Wars com algumas melhorias.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Papai Noel não existe


Ontem fui prestigiar a apresentação da escola de balé em que minha sobrinha faz aula.

Na porta do teatro uma pessoa estava distribuindo o seguinte cartão de visita:


No verso, apenas contatos telefônicos e eletrônicos.

Dei de ombros e compartilhei do "E aí???" da minha esposa - afinal, qual era o negócio desse povo? Figurino? Cenografia? A única conclusão que dava para se tirar era de que o cartão não cumpria um de seus principais objetivos.

Enfim...

Olhando o programa, fiquei até animado. Aparentemente as meninas iriam dançar temas de filmes como Lilo & Stitch, Indiana Jones, Harry Potter, Star Wars, Minions, Frozen e, claro, variadas princesas da Disney.

O espetáculo começou e logo foi explicado que o tema era "viagem a Orlando - Disney e Universal". Já ganhou o primeiro ponto por não ser "viagem à Disney". De cara, o Mickey e a Minnie entraram pela plateia, acenando e caminhando até o palco. E eu imaginando a reação do meu filho de 4 anos, sentando lá na frente com meus pais e minhas irmãs. Chegar em cima da hora dá nisso.

As apresentações foram desenrolando, as bailarinas com figurinos remetendo aos filmes, as músicas em sua maior parte aproveitadas das trilhas sonoras originais, o fundo do cenário sempre com uma projeção acompanhando os temas e eu já achando tudo muito legal.

Até que...

O empolgante e pomposo tema de Star Wars começa a tocar ao mesmo tempo em que um Stormtrooper aparece no corredor da esquerda do teatro e o Kylo Ren no da direita. Mais do que escolherem já um personagem de O Despertar da Força, o que me surpreendeu foi como que o figurino e a caracterização de ambos estavam realmente bons. Se os Mouses já tinham ficado muito acima do padrão de festinhas e trenzinhos de parque por aí, estes dois definitivamente se destacaram.

No final, eles, fazendo gracinhas, junto com Mickey, Minnie e todas as alunas e professoras voltaram ao palco para os agradecimentos. Minha preocupação foi perguntar ao meu filho se ele tinha gostado e, principalmente, o que tinha achado dos personagens e das duas apresentações da prima dele.

Depois, somente ao chegar em casa, consegui raciocinar e, de forma bem espontânea, falei pra minha esposa:

- Uai, já sei do que se trata esse tal de "Encanto e Magia". Certamente são aquelas pessoas que se fantasiaram de Mickey, Minnie e Guerra nas Estrelas!

Meu filho, como que surgindo "do nada":

- Ah, eu bem que sabia! Eu sabia que eles não eram de verdade! Eu vi que o Mickey e a Minnie não mexiam a boca e que o soldado das Guerras nas Estrelas tinha um pedaço de ferro soltando da perna dele.

(...)

Meu cartão de visita?

"PAIS
 Transformando fantasias em decepções"

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

O pescoço


Por algum motivo, que não pode ser sua origem francesa (uma língua cheia de 'ç' e 'è'), o display do meu carro não mostra os caracteres especiais, como acentuação, dos nomes das músicas e artistas que estão sendo executados pelo pendrive. Tais letras simplesmente são omitidas.

Então, é possível ouvir "Relicrio" com 'Cssia Eller', "Sonfera Ilha" dos 'Tits', ou, se quiser desandar prum lado brega (não é o meu caso), pode até ser "Alma Gmea" do 'Fbio Jnior'.

Mas, engraçado é a Marisa Monte cantando "O Céu":



(OBS.: originalmente eu ia escrever "Mas, bizarro é O Céu da Marisa Monte", mas se o espírito da Renault baixasse no Blogger não ia soar nada bem)

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

O (não tão) poderoso filho do chefão


Outro dia vi uma matéria sobre os "melhores clipes musicais dirigidos por cineastas famosos". Claro que a lista tinha escolhas óbvias (e certeiras) como coisas da década de 1980 do David Fincher, os clássicos de Michael Jackson por Martin Scorsese, Bad, e John Landis, Thriller, e os inesquecíveis do Spike Jonze para Beastie Boys, Sabotage, e Fatboy Slim, Weapon of Choice.

Mas, dentre 50 clipes lembrados, senti falta de um cara: Roman Coppola. Ele pode até não ser um cineasta de renome (apesar de ter um nome), mas tem em seu currículo uma indicação ao Oscar como corroteirista de Moonrise Kingdom, ao lado de Wes Anderson, já dirigiu longas-metragens com atores badalados e atuou por trás das câmeras em diversos departamentos, em variadas produções.

Ele vem sendo mais prolífico, todavia, realmente no mundo da música. São mais de trinta clipes dirigidos, dos quais destaco dois que sempre figuram nas minhas listas pessoais de favoritos:





Como ousaram deixá-lo de fora?

sábado, 21 de novembro de 2015

Bife ali na mesa


Em um dos seus discursos, na temporada de premiações de Gravidade, o diretor mexicano Alfonso Cuarón revelou, rindo, que o filme tinha ficado tão bom porque sua equipe (essencialmente americana) não tinha entendido tudo o que ele tinha pedido.

Realmente, palavras ou frases mal-interpretadas podem trazer à tona ideias de sucesso.

Fim-de-semana passado, numa pousada/hotel-fazenda em São Gonçalo do Bação, depois de ouvir umas duas ou três pessoas comentarem sobre "ir lá na charrete", meu filho (4 anos) estava decidido:

- Eu quero ir na lancharrete.

E assim pode ter criado a versão rural do food-truck.

sábado, 31 de outubro de 2015

Hello win


Aproveitando o Halloween e entrando no clima pro filme do Snoopy no fim do ano:


Bem legal, mas poderiam facilmente ter substituído os quatro remakes por Jack Torrance, Pennywise, Regan McNeil e Pinhead, por exemplo (particularmente, gostaria de ter visto uma versão snoopyzada de Babadook, Gremlin, Beetlejuice e Stay Puft).

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Amazoon


Fica mais uma dica.

Um grandessíssimo amigo (que há muito está enrolado para lançar seu primeiro álbum),  está "divulgando sua música Amazoon, que fará parte de um concurso da SoundHunters que selecionará uma das faixas para o novo álbum de Jean Michel Jarre. A atmosfera é mais eletropop com tons de rock progressivo."


A avaliação é meramente técnica, mas não custa dar um 'like'.

Quem gosta de música experimental, taí uma bela chance de prestigiar o trabalho Made in Minas.

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Foi-se o dia, mas a emoção continua


Ontem o que eu queria mesmo era ter ido ao cinema ver a maratona da trilogia De Volta Para o Futuro. Mas, foi o suficiente ler vários artigos e ver alguns vídeos, incluindo o documentário Back In Time, lançado ontem mesmo simultaneamente nos cinemas americanos, em Blu Ray e DVD e on-line sob demanda (que bom que não deixaram a Netfllix Brasil de fora...)

Tudo serviu basicamente para relembrar, pois, como ao longo da vida já consumi muita informação sobre estes filmes, praticamente não havia novidade. Mas, destaco aqui duas coisas marcantes do 'Back to the Future Day':

1) Todos devem conhecer a história de como Eric Stoltz chegou a participar de seis semanas de filmagem como Marty McFly até Robert Zemeckis perceber que não estava dando certo e se esforçar para conciliar sua primeira opção, Michael J. Fox, com seus compromissos da série Caras & Caretas. Muitos devem saber que C. Thomas Howell e Ralph Macchio também chegaram a ser cotados. O que eu nunca tinha visto era a lista de possíveis nomes para viver Doc Brown:


Loucura total, hein?!
Christopher Lloyd É o Doutor e ponto final, mas já pensou cada um desses no papel???
(E por quê será que Mandy "Saul Berenson" Patinkin está marcado como OK, cortado e com duas interrogações tudo ao mesmo tempo??)

2) Ver os dois juntos mais uma vez, caracterizados, mesmo que numa auto-paródia nem tão engraçada assim, foi de escorrer lágrima:


Imagino a sensação de quem estava lá ao vivo...
Eu teria ficado aplaudindo de pé por mais tempo.

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

21 de Outubro de 2015 chegou


Pensei em inúmeras coisas para colocar aqui no blog para comemorar o dia em que Marty McFly e Doc Brown chegaram no futuro. Mas, a internet já está lotada de curiosidades, imagens, videos, fotos de bastidores, artigos, memórias, crônicas e declarações de amor sobre esta obra-prima que é De Volta Para o Futuro.

Então, vou ser simplista e apenas divulgar o jogo on-line (que também está por toda a rede, mas tudo bem) que mostra a garagem do DeLorean:




Parecido com aquele jogo do quadro, aqui o desafio é achar os 66 filmes referenciados na imagem. Um, óbvio, eu já entreguei.

NOTA: A verdade é que o jogo tomou todo o tempo que teria pra escrever algo pessoal sobre De Volta Para o Futuro... Fica a curiosidade de que quando assisti no cinema, eu nem gostei do filme. Depois, em video, acabou se tornando, de longe, o que mais já vi e revi na vida.

NOTA 2: Desisti, vergonhosamente, do jogo depois de atingir 61 acertos.

sábado, 17 de outubro de 2015

Bichos e bichoutros


Fica outra dica.

Uma amiga acabou de lançar seu primeiro livro infantil. "Um Bicho você já sabe o que é. Mas, e um Bichoutro? Os bichoutros são bichos inusitados que só aparecem por meio de associações imagéticas. Bichos e Bichoutros é, também, um livro educativo, pois, propõe reflexões e atividades para sala de aula, incentivando pais e professores a contextualizar a leitura da criança e a acompanhá-la na produção de um livro de imagens com seus bichos preferidos."


Disponível segunda-feira nas lojas Leitura e on-line, por enquanto, na Arte Pau Brasil e Cia. dos Livros.

Quem tem oportunidade de ler para crianças, taí uma bela chance de prestigiar o trabalho Made in Minas.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

This is heavy


Além de tudo, De Volta Para o Futuro é uma das obras mais citáveis que existem...

Tentei fazer um top 10 das frases do filme, mas foi muito, muito difícil: a) escolher só dez (ficaram onze, com muito sofrimento); b) colocar em ordem de preferência (por isso ficou mais ou menos em ordem cronológica) e c) pensar em traduzir ou pegar a versão da legenda em português (não consigo conceber a existência de nada além do áudio original).

Então, para relembrar:

- Wait a minute, Doc. Are you telling me that it's 8:25?
- Precisely.
- Damn! I'm late for school!

- You're too much like your old man. No McFly ever amounted to anything in the history of Hill Valley!
- Yeah, well, history is gonna change.

- Hello? Hello? Anybody home? Huh? Think, McFly. Think!

- Doc, I'm from the future. I came here in a time machine that you invented. Now I need your help to get back to the year 1985.
- My God. Do you know what this means? It means that this damn thing doesn't work at all!


- Then tell me, future boy, who's President of the United States in 1985?
- Ronald Reagan.
- Ronald Reagan? The actor??? Then who's vice president? Jerry Lewis?

- 1.21 gigawatts! 1.21 gigawatts. Great Scott!
- What-what the hell is a gigawatt?

- Lorraine. My density has brought me to you.


- Chuck! Chuck, it's Marvin. Your cousin, Marvin Berry. You know that new sound you're looking for? Well, listen to this!

- I guess you guys aren't ready for that yet. But your kids are gonna love it.

- If you put your mind to it, you can accomplish anything.

- Hey, Doc, we better back up. We don't have enough road to get up to 88.
- Roads? Where we're going, we don't need roads.


sábado, 10 de outubro de 2015

Disarm


Fica a dica.

Um estimado ex-colega de trabalho desenvolveu "um game explosivo totalmente viciante! Seu objetivo é conseguir desarmar bombas o maior número de vezes possível, mesclando conhecimentos básicos de matemática, raciocínio lógico e velocidade, muita velocidade."


Disponível nas versões iOS e Android.

Quem curte este tipo de jogo, taí uma bela chance de prestigiar o trabalho Made in Minas.

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Extra! Extra!


Atenção! A edição de Outubro da revista PREVIEW está nas bancas com um bônus imperdível:


Um pertinente e edificante comentário de 90 palavras escrito por José Roberto Costa, na seção de cartas dos leitores (rs).

Próximo passo: capa da revista.

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Pepsi Perfect e Tubarão 19


Praquele monte de artigo chato do estilo "17 coisas que De Volta Para o Futuro errou sobre o ano de 2015":

Toma isso:

E...bem, isso:

"Well... history is gonna change."

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Outubro de 2015 chegou


Trinta anos atrás, no cinema, esta data parecia tão distante...


To be continued...

domingo, 27 de setembro de 2015

Dança com os famosos


Depois daquele vídeo da boite onde os personagens se encontram, hora de dançar um pouco:


Ânimo, amanhã é segunda-feira.

sábado, 26 de setembro de 2015

Verdades sejam ditas


Ontem foi o último capítulo de Verdades Secretas. Não sou de criticar algo que não vi, não vejo sentido racional nenhum nisso, mas não tenho como não deixar de expressar algo sobre o que está sendo dito por aí.

Houve muito burburinho sobre uma tal chocante e realista cena onde a personagem de Grazi Massafera, viciada em crack, foi violentada e também grande repercussão nas páginas de entrada dos principais portais da internet brasileira após sua conclusão. Coisas como: "Épica, Verdades Secretas é a novela do ano da Globo"; "Beijo lésbico, morte, suicídio, nudez e mais ousadias"; "Verdades Secretas foi bom exemplo de união entre roteiro, direção e elenco"; e por aí vai. Termina sua jornada sendo aclamada, principalmente, por ser diferente.

Mas, verdade (nada secreta) seja dita: a novela das onze pode até ter sido realmente boa, mas (repito, não assisti a um segundo sequer de sua trama), por tudo que li nas páginas de entrada dos principais portais da internet brasileira nos últimos dias, não consegui ver nada de novo, de diferente como dizem, que já não venha sendo explorado há um bom tempo por séries estrangeiras, sobretudo americanas.

Parece que, finalmente, a Globo está tentando alcançar as grandes de fora. Mas, isso é só ser diferente do que o público primordialmente ligado ao conteúdo nacional está acostumado. Seria realmente interessante, e passível de louvor criativo, se ela tentasse fazer algo genuinamente novo, diferente da tradicional Globo, mas também diferente da HBO.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Libertas quae sera tamen


Neste mês de Setembro fiquei livre de uma força invisível e inexplicável que me prendia. Um poder além do meu alcance, chamado CBS, cancelou Under The Dome ao final de sua terceira temporada e me poupou de TER que assistir uma quarta (ou mais) temporada(s).

De fato, não sei o que me impedia de abandonar a série. Talvez fosse o anseio por resolução, a esperança de que os nomes Stephen King e Steven Spielberg fossem pesar em algum momento, a vontade de simplesmente contrariar amigos e esposa ou o apego à máxima do deputado mais votado no nosso país, "pior que tá, não fica".

Gosto de me convencer que o motivo real era para realizar exercícios de análise e crítica de roteiro ruim (conjugado, com bastante frequência, com má atuação). Ou seja, o que eu fazia esporadicamente quando pescava cenas de novelas (como aqui e aqui, por exemplo), passou a ser uma atividade constante e desejada. Quase masoquismo.

Inútil apontar os erros de Under The Dome agora, mas acho que vale destacar uma atrocidade - ou uma genialidade, se considerarmos o feito como uma metalinguagem consciente  - cometida no último episódio.

Como típico em um filme de terror, tudo parece estar bem e resolvido no último ato. Certos de estarem livres da vilã há mais de ano, os personagens principais debatem sobre uma novidade captada por uma câmera de segurança do outro lado do país:

- Não é possível! Ela não morreu em Chester's Mill?
- Era o que pensávamos.

No que o personagem Big Jim, do excelente ator Dean Norris (coitado), diz:

- Fale por si mesma. Eu vi filmes ruins o suficiente para saber que se não há corpo, não há morte.

A ironia?

Este episódio derradeiro faz o truque (de filme ruim) "morreu, só que não" não só com um, mas com dois personagens!!!


CBS, nem venha com gracinhas, mostre-nos o corpo de Under The Dome...

sábado, 12 de setembro de 2015

Boite barra pesada


Onde os personagens de cinema se encontram...


terça-feira, 8 de setembro de 2015

O silêncio foi a primeira coisa que existiu


Painel eletrônico do cinema ontem:

   Missão Impossível - Nação Secreta (Legendado) 13h45, 18h30, 21h00
   O Pequeno Príncipe (Dublado) 14h00, 16h20
   A Esperança é a Última Que Morre (Nacional) 15h20, 17h10, 19h00, 20h50
   .
   .
   .
  Shaun, o Carneiro (Sem Diálogos) 13h30, 15h25


Na bilheteria:

- São três pro Shaun, o Carneiro, por favor.
- Sessão de 13h30?
- Isso.
- Olha, esse filme é mudo, tá?
- Hmmm... ok.
- Mudo, entendeu? Sem áudio.


Fiquei sem palavras.
Mudo.
Sem áudio, até.

Em tempo, uma pequena aula sobre a história do áudio no cinema:
https://www.youtube.com/watch?v=Ot5IryUt9SM

sábado, 5 de setembro de 2015

Cuidando da sua imagem


Ganhei um livro de estimados colegas de trabalho.

- É a sua cara!


Minha cara? Acho que estou precisando rever o que ando dizendo e fazendo por aí...

domingo, 23 de agosto de 2015

Superman, o Novo Vingador


Enquanto isso, num shopping de Belo Horizonte...

...o mais novo vira-casaca da cultura pop:


Um Superman com metralhadora não soa muito "Light Avengers", não.

sábado, 15 de agosto de 2015

Unboxing figurinhas raridades


Perambulando por Nova York, meu irmão encontrou uma lojinha obscura de curiosidades geeks. E trouxe pra mim um presente de lá: três pacotinhos de figurinhas (tá, pacotes contendo cards, um adesivo e uma goma de mascar) de filmes, da época que foram lançados.


De tão bacana que era, fiquei com dó de abrir, no melhor estilo colecionador nerd cult.

Mas, no fundo eu sabia que não poderia deixar as figurinhas (tá, os cards) lá dentro. Já pensou o que é passar décadas impedido de cumprir o propósito da sua existência no mundo?

Pensei em fazer um vídeo no estilo unboxing, mas por falta de um operador de câmera (ou uma terceira mão) para captar de forma interessante o momento mágico, me contentei a realizar apenas um registro fotográfico.


Destaque para o card "ET's Director", com O Cara nos bastidores das filmagens.


E com direito a imagem do cinema passando "Tubarão 19" e tudo. (aliás, o filme errou no prognóstico para a franquia do peixão, mas acertou filosoficamente, considerando a quantidade infindável de continuações e refilmagens que essa época veio a ter...)


O desgaste das imagens e o chiclete (ali no centro - duro igual pedra) provam que trata-se de um produto legítimo, da época mesmo, e não uma produção "retrô".

Putz.
Agora bateu um arrependimento de não ter filmado...

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Desenhando Snoopy


Hoje, 10 de Agosto, é aniversário do Snoopy e para celebrar a data (e de quebrar ajudar a divulgar o aguardado longa-metragem em CGI de Charlie Brown & cia.) o diretor Steve Martino fez uns dias atrás um rápido vídeo ensinando a desenhar o simpático cachorrinho:


Legal.
Bom, na minha época de moleque as instruções para aprender a desenhar Snoopy eram bem diferentes, e como os traços iniciais são um pouco inadequados pro blog (hehehe), deixa pra lá...

domingo, 9 de agosto de 2015

Não, Luke...


Dia de lembrar 10 grandes pais do cinema!
(sem ordem específica)

 Henry Jones, Sr.

 George Bailey

 Jor El

 Daniel Hillard

 Tatsuo Kusakabe

 Marlin

 Michael Sullivan

 Capitão von Trapp

 Christopher Gardner

Guido Orefice

Feliz dia dos pais a todos.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Que filme é teu?


Já revelei, neste post aqui, minha estratégia para lembrar a idade de pessoas próximas: a de associá-las a algum filme lançado no mesmo ano em que nasceram. Eu basicamente escolho um filme legal do ano em questão.

Agora, este site - http://playback.fm/birthday-movie - pode criar um critério mais específico pra minha metodologia, pois ele indica qual era o filme no topo das bilheterias exatamente no dia em que cada um nasceu.

Baseado no meu filme, prefiro eu mesmo continuar escolhendo.

Apesar de vir a gostar bastante dos trabalhos do trio ZAZ (David Zuker, Jim Abrahams, Jerry Zucker) com Apertem os Cintos que o Piloto Sumiu, Top Secret! Superconfidencial, a série Police Squad! e sua derivação pro cinema, Corra Que a Polícia Vem Aí e até mesmo Top Gang - Ases Muito Loucos, eu nunca tive a menor vontade de ver a estreia deles no cinema:


De repente, agora, sabendo que é "o filme do dia que nasci"...

Mas, não mudarei O meu filme. Nada bate Contatos Imediatos do Terceiro Grau.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Dia perdido


Claro que tinha que ter um post exatamente no dia 04/08/15 às 16:23:42...


"Each one of us was brought here for a reason."
(John Locke)

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Ego no cartaz


Hoje foi divulgado o primeiro cartaz do próximo filme do Spielberg:


Curioso como que quase não dá pra perceber o nome do diretor...

Enquanto isso, o cartaz de Os 8 Odiados grita em letras garrafais "O oitavo filme de QUENTIN TARANTINO".

Já pensou que se os verdadeiros mestres da sétima arte tivessem esse ego teríamos coisas como "O quinquagésimo primeiro filme de ALFRED HITCHCOCK - Psicose"?

Não consigo esquecer deste post aqui de 2012...

sábado, 18 de julho de 2015

Hora da pizza


A Pizza Caraíva apresenta um conceito diferente em seu cardápio. Em vez das tradicionais Margherita, Presunto, À Moda, Calabresa, etc, as pizzas são batizadas com nomes de bandas/ músicos.

A ideia é muito legal, mas traz alguns inconvenientes. Como não há um jeito intuitivo de saber o que tem em cada banda, perde-se muito tempo lendo o cardápio e escolhendo a pizza. E, por mais tentador que seja, não dá pra arriscar às cegas um "Desce aí uma metade Beatles, sem Ringo Starr, e metade Dire Straits, com acréscimo de Eric Clapton".

As coisas fluiriam melhor se houvesse uma associação mais óbvia e direta dos "sabores" com seus ingredientes. Por exemplo, se resolvessem dar nomes de filmes às pizzas, deveria ser algo mais ou menos nessa linha:

Especialidades

Os Pássaros
Pizza de frango desfiado, peito de peru, chester e foie gras. Não tenha medo.

Tubarão
Pizza de aliche, atum e sardinha. Você vai precisar de um prato maior.

O Poderoso Chefão
Pizza de mozzarella e carpaccio com cabeça de cavalo. Uma sugestão irrecusável.

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa
Pizza de lagosta. Se conseguirmos mantê-las na panela.

Gremlins
Pizza de pimentão verde, rúcula e abobrinha. Só não pode comer depois da meia-noite.

Rocky
Pizza de ovos crus. É só comer essa, socar carnes e correr escadarias que você se tornará um boxeador campeão.

Silêncio dos Inocentes
Pizza de rim de agente do Censo com favas à portuguesa e molho de Chianti. De lamber os beiços.

No Mundo de 2020
Pizza de soylent green. Combina com a pizza Silêncio dos Inocentes (spoiler!)

O Sexto Sentido
Pizza de presunto, calabresa, frango, ao molho à bolonhesa. Eu vejo animais mortos.

Parque dos Dinossauros
Pizza de cabra. A preferida do T-Rex. Até ele te conhecer.

Indiana Jones e o Templo da Perdição
Pizza de cobra, besouro e cérebro fresco de macaco. Melhor que de coração arrancado na hora.

Pulp Fiction
Pizza 'Royale com Queijo' e batatas fritas com maionese. Acompanhada de milk shake de US$5.00.

Snatch
Pizza de calabresa, lombinho canadense, bacon e diamantes. Sucesso entre ciganos.

Os Saltimbancos Trapalhões
Pizza de macarrão. E a barriguis ronca mais que o trovãozis.

Auto da Compadecida
Pizza de carne de sol. Ou de carne de chuva (sazonal) - só sei que é assim.

Cidade de Deus
Pizza de galinha regada a molho pardo. Dadinho de brinde.

De Volta Para o Futuro
Pizza desidratada. Mas aguarde inventarem um hidratador de pizza (acho que vai acontecer lá pra 2015).

A Origem
O chef vai escolher o sabor pra você. E você vai achar que era aquela mesmo que você sempre quis.

Matrix
Pizza de pílula vermelha. Ou de pílula azul. De qualquer forma, assim como a pizza A Origem, é um sonho.


Doces

Minions
Pizza de banana. Boo ya!

Branca de Neve o os Sete Anões
Pizza de maçã. Dá um sono...

Goonies
Pizza de chocolate Baby Ruth com sorvete. Melhor não saber o que estava armazenado com o sorvete.

Forrest Gump
Pizza de bombons sortidos. Você nunca sabe o que vai receber.

Laranja Mecânica
Pizza de leite com ultraviolência. Servida ao som de música clássica.


Sugestões pro chef?

quinta-feira, 9 de julho de 2015

Jogos dos Tronos


Depois de "War" versão Game of Thrones...



...e de "Banco Imobiliário" versão Game of Thrones...



...a Hasbro pensou em fazer "Jogo da Vida" versão Game of Thrones.

Mas, desistiu ao perceber que as partidas iam durar muito pouco.


sábado, 4 de julho de 2015

Menino Maluquinho - A Revelação


Quando você pensa em "Menino Maluquinho", qual a primeira imagem que vem à cabeça?

Certamente, alguma bem parecida com estas dos primeiros resultados do Google Imagens:


Esse arquétipo do Menino Maluquinho já está lapidado no inconsciente coletivo nacional. E com meu filho não seria diferente, mas...

Hoje li o livro original do Ziraldo para ele pela primeira vez. Com sua costumeira atenção, foi absorvendo todos os detalhes da história e das ilustrações. Terminada a leitura, ele, no auge da sabedoria dos seus quatros anos, exclamou:

- Ué, acabou? Mas, ele não usou a panela na cabeça...

(O quêêêê???????)

Estupefato com essa revelação bombástica, como no final de um filme de M. Night Shyamalan, imediatamente folheei o livro novamente para me dar conta de que realmente a notória marca registrada do menino jamais fez parte da sua história: está unica e exclusivamente na (enganosa) capa do livro.


Acho que nunca deixarei de me surpreender com a perspicácia das crianças.

terça-feira, 30 de junho de 2015

As mentes daqui não são como as de lá


Divertida Mente é um dos melhores filme do ano, com certeza. Mais uma vez, a Pixar provou que sabe direitinho como conquistar as mentes (e os corações) de crianças e adultos.

E de americanos e brasileiros.

Em determinado momento, o pai da garotinha protagonista está totalmente desligado da conversa, absorto em seus pensamentos. E o que está tirando a atenção do pai "americano" é diferente do que distrai o pai "brasileiro"...

Comparem no início destes trailers:

Trailer americano


Trailer nacional


Isto é apenas um pequeno detalhe, e certamente não é exclusivo do Brasil, mas é uma amostra de como que a Pixar se preocupa em fazer tudo funcionar perfeitamente para o seu público. 

terça-feira, 23 de junho de 2015

Acessibilidade é importante


Lost ainda é a melhor série de todos os tempos. E o diferencial dela para outras atualmente altamente badaladas é a acessibilidade.

Uma recomendação de Game of Thrones, por exemplo, sai mais ou menos assim: "Você devia assistir! É excelente, muito bem produzida e escrita, tem ótimas atuações, mas... esteja avisado(a) que é bastante gráfica e contém muito linguajar, nudez, violência, sexo, violência sexual, tortura, incesto, defenestração, mutilação, decapitação (em cima e embaixo), furação de olho (no literal e no figurado), exposição de cadáver, reanimação de cadáver, reexposição de cadáver reanimado e homicídio, regicídio, infanticídio, parricídio, personagemfavoritocídio e quase toda variação possível que possa terminar com o sufixo 'cídio'."

Mesmo também tendo violência, drogas, sexo, defenestração, tortura, exposição de cadáver, reanimação de cadáver (por que não?), etc, etc, era possível recomendar Lost virtualmente para qualquer pessoa, sem poréns, pois tudo era tratado de uma forma mais sutil, maquiada ou subentendida.


Muitas vezes algumas cenas mais pesadas são necessárias e servem às histórias de seus filmes e/ou séries. Mas, na maioria das vezes fica a sensação de que a HBO (com Game of Thrones e virtualmente qualquer outra série sua) opta pelo apelativo para ter o efeito de choque e se manter na conversação. Lost, por sua vez, conseguia se manter na conversação e também proporcionava seus momentos de choque, sem apelar.

E era comum, e saudável para sua popularidade, ver Lost sendo discutido não só em bares e na internet, mas também nas mesas de jantar das famílias. Ver uma estreia de temporada ou um episódio final era um evento em que podia ser feito com toda a família reunida. Diversão garantida. Já com Game of Thrones isso é bem mais difícil. O mais provável é que seja constrangimento garantido, como mostra a sátira "Watching Game of Thrones With Your Mom" (aviso: inclusive este curta tem material inadequado).

Num mundo que icentiva um consumo de conteúdo cada vez mais individualista, com os tablets, notebooks e os Nows, HBOGos e Netflixes, o diferencial de Lost foi proporcionar entretenimento que incentivasse a experiência coletiva. If we can't watch together, we will live alone, como numa ilha perdida, certo Jack?