Pesquisar neste blog:

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Última volta?


Depois de uma incompreensível mudança de gênero em uma continuação cheia de tiros, explosões, tortura e (como não?) mortes, o mundo de Carros volta às origens com um filme mais tranquilo sobre corridas, amizade, paixão pelo esporte e choque de gerações. E devolve o protagonismo para Relâmpago McQueen.

Estas decisões agem enormemente em favor de Carros 3. Os acontecimentos de Carros 2 foram praticamente (se não completamente) ignorados e Mate, por mais engraçadinho e bacana que seja, já havia provado que não tem como sustentar um longa como personagem principal.


Com paisagens de encher os olhos, a qualidade técnica da animação está notavelmente superior - também já se passaram 11 anos do original e 6 anos da primeira continuação. Mesmo assim, os realizadores parecem ter tido menos cuidado com o que sempre foi o maior charme deste universo: os detalhezinhos na caracterização de personagens e cenários. Qualquer um dos dois filmes anteriores sempre esbanjaram criatividade nas transformações de locações existentes, personalidades reais e peças do cotidiano para aquele imaginário automobilístico.  Agora, quase não há novidade neste sentido.

Carros 3 facilmente agrada quem gostou do primeiro e quem está buscando algo mainstream, mas menos agitado, dentro dessa invasão de super-heróis no cinema. Embora o filme termine em um ponto interessante (e, vejam só, o empoderamento feminino chegou também a este mundo), se a Pixar for inteligente criativamente (sabe-se lá financeiramente) encerrará a saga deste seu herói e voltará a investir em histórias originais.

Mas, claro, não sem antes completar Os Incríveis 2, por favor!


Carros 3 (Cars 3), 2017




quinta-feira, 13 de julho de 2017

Viet Kong


King Kong é uma daquelas propriedades que já teve várias encarnações e variações no cinema. Mas, até o início deste ano apenas três delas mereciam destaque: justamente as que levavam apenas o nome da criatura no título. A original em preto-e-branco de 1933, a versão de 1976 com Jeff Bridges e Jessica Lange e a refilmagem de 2006 comandada por Peter Jackson.

Todas estas produções se destacaram sobretudo pelos efeitos especiais, mas talvez pela época em que foi lançada (e por ter virado atração de parque em Orlando) a de 1976 é a mais lembrada. Porém, com enfoque maior no elo entre bela e fera, a releitura nunca chegou aos pés da original. O que Peter Jackson fez tão bem em 2006, além de repetir os personagens principais e trazer um pouco de ingenuidade frente ao desconhecido ambientando sua história também na década de 1930, foi investir boa parte do tempo de tela no habitat natural de Kong. Bem como no original, as cenas da Ilha da Caveira mergulhavam mais na fantasia e trazia o macaco gigante enfrentando dinossauros e monstros inexistentes.


A mais recente tentativa de reavivar a carreira do grandão, Kong: A Ilha da Caveira, agrada os fãs que preferem "pular" o filme com a Jessica Lange, pois cumpre justamente o que seu título já indica - praticamente toda a trama se desenrola na enigmática ilha, sem gastar tempo com pânico na civilização. Perde-se a oportunidade de (mais uma vez) recriar o icônico desfecho trágico no topo de um marco novaiorquino, mas ganha-se com a introdução de novas e pavorosas criaturas e com o clima inquietante de enclausuramento.

Talvez por se passar em 1973, logo após o fim da Guerra do Vietnã, e em uma ilha habitada por impossíveis bichos gigantes, o filme não esconde suas maiores referências: Apocalypse Now e Jurassic Park. Deste último, é de arrancar sorrisos quando Samuel L. Jackson repete sua célebre frase "Hold on to your butts". O diretor Jordan Vogt-Roberts conduz tudo com cenas empolgantes em tomadas inventivas (que não raramente parecem artes de graphic novels) e com uma edição ágil que ainda traz várias transições divertidas.

O que esta versão não tem são personagens. Existem apenas pessoas falantes que estão ali para servirem de lanche pra monstro e atores reconhecíveis para conquistar um mínimo de empatia do público. O único que desperta algum interesse e tem um pouco menos de superficialidade é o personagem de John C. Reilly, que em outras produções seria um mero alívio cômico.

Mas, claramente a Legendary Pictures pouco se importa com um legado de personagens marcantes. Sua missão é aproveitar o sucesso do Godzilla de 2014 e usar este filme como amálgama para algo maior. Quem esperou até o fim dos créditos teve a confirmação do que já não era segredo: está formado o MonsterVerse. Criaturas clássicas como Mothra, Rodan e Ghidorah surgirão em algum momento nos cinemas, que pretende ter seu ápice em Godzilla vs Kong, anunciado para 2020.

Humanos irão sofrer. Tomara que sejam só os de dentro da tela, não os de fora.


Kong: A Ilha da Caveira (Kong: Skull Island), 2017




terça-feira, 4 de julho de 2017

Michael Jackson & Madonna & Minions


Lançado em 2010, Meu Malvado Favorito já não era assim um filme excelente, mas cumpria bem o seu propósito de entreter, com o dificultador e o frescor de não ser baseado em livros, HQs, séries de TV, videogames ou linha de brinquedos. Mais do que isso, conseguiu conquistar relevância cultural ao apresentar os, agora queridinhos, Minions. Era natural que em sua segunda continuação direta (além de um spin-off só com os malvadinhos favoritos amarelos) a coisa esfriasse e as ideias se tornassem mais desgastadas.

Em Meu Malvado Favorito 3 as poucas passagens realmente engraçadas ainda são as protagonizadas pelos Minions, embora nem todas as cenas protagonizadas pelos Minions sejam realmente engraçadas. Os roteiristas utilizam um recurso batido de continuações: introduzir um personagem próximo do protagonista - um filho, um pai, um par amoroso, um irmão... No caso, este último. Pois o penúltimo já gastaram no filme anterior.


Um novo vilão também é apresentado, mantendo a tradição de um vilão por filme. O que é um alento e evita o erro, por exemplo, da já esquecível franquia "rival" Era do Gelo, que foi apenas aumentando seu rol  de personagens a ponto de não ter onde mais encaixar tanta gente (ou bicho) em pouco mais de uma hora de história. Uma evidência clara desta opção, foi terem tirado de cena o auxiliar de Gru, Dr. Nefário, em uma divertida referência a O Império Contra-Ataca (porque também é difícil uma referência a Star Wars não ser divertida). Os demais personagens estão lá, sendo um pouco mais do mesmo, com histórias paralelas que pouco se desenvolvem e que se fecham com resoluções corriqueiras.

O uso de 3D não acrescenta em nada à narrativa nem à experiência do espectador, mas também não atrapalha. A dublagem nacional merece reconhecimento, primeiramente pelo bom trabalho de Leandro Hassum (em papel duplo) e Maria Clara Gueiros. Em segundo, é reconfortante notar já nos créditos iniciais que foi respeitado e mantido o trabalho original de Pierre Coffin como a voz dos Minions. Por último, mas não menos importante, foi extremamente feliz a escolha de Evandro Mesquita para o papel do vilão que tem os dois pés nos anos 1980. O ator-cantor carioca se mostra bem à vontade com o material e ainda tem a oportunidade de se auto referenciar com um "OK, você venceu, batata frita".

Mesmo quase parecendo uma desculpa para vender mais centenas de milhares de produtos, o filme garante facilmente a diversão das crianças e não deixa os pais se entendiarem, especialmente com as inúmeras referências visuais e musicais oitentistas. E qualquer produção que usa Money for Nothing no seu clímax garante ao menos uns pontinhos a mais.


Meu Malvado Favorito 3 (Despicable Me 3), 2017