Pesquisar neste blog:

terça-feira, 28 de abril de 2009

Egotrip


"Claro que Kill Bill é um filme violento. É um filme do Tarantino. Você não vai ver Metallica esperando que toquem músicas calmas." É assim que o próprio Quentin Tarantino se define. E, mesmo assim, por algum motivo ainda me surpreendo com as notícias que vêm surgindo acerca de Bastardos Inglórios, seu próximo filme, que trata de um grupo de soldados judeus-americanos reunido durante a II Guerra, na França dominada pelas tropas de Hitler, para sair aterrorizando nazistas.

"Será um filme sanguinolento", começa este artigo centrado em Eli Roth (ator deste filme e diretor do festival de carnificina gratuita O Albergue). "Quentin não economiza nos escalpamentos" (...) "Nós pegamos os nazistas, arrancamos seus couros cabeludos e os espancamos até a morte com um taco de beisebol." (...) "Nós brincávamos no set sobre o que é dito em Ligeiramente Grávidos, de que 'Munique é o filme em que os judeus arregaçam'. 'Não, não', dizia Tarantino, 'ESTE é o filme em que judeus arregaçam'."

Então, além de ser historicamente implausível (imagine uma turma perambulando pela França matando nazistas com tacos de beisebol), o filme se vangloria de ser um banho de sangue por pura diversão. Afinal, foi o próprio Tarantino que disse uma vez: "Violência é uma das coisas mais divertidas de se ver". Agora, quem se diverte em ver escalpamentos, torturas e espancamentos, não deve ser uma pessoa normal. Não importa quem seja o alvo das atrocidades.

Enquanto inúmeros diretores renomados se esforçam para tratar a crueldade da guerra nas telas como um alerta antibélico, eis que vem este trabalho guiado por egocentrismo, onde o único objetivo da polêmica que certamente irá gerar é colocar os holofotes sobre Tarantino. E o mais deplorável é pensar que, neste momento, os mesmos críticos hipócritas que condenaram a violência explícita de A Paixão de Cristo, ou acusaram Quem Quer Ser Um Milionário? de maquiar e explorar a violência, já estão colocando 5 estrelas em suas resenhas de um filme que nem viram ainda, só porque enxergam 'a roupa nova do Imperador' em cada fio que Tarantino tece.

Um comentário: