Pesquisar neste blog:

terça-feira, 22 de abril de 2014

Goonies never say die


Consigo me lembrar de detalhes específicos da primeira vez que vi alguns filmes na minha infância. E entra para este grupo seleto, que inclui Caçadores da Arca Perdida e Poltergeist, Os Goonies.

Pelas contas eu tinha entre 7 e 8 anos de idade quando meu pai teve que me levar para ver o filme, no Cine Palladium. Chegamos um pouco atrasados e, como naquela época era comum entrar no meio de uma sessão e continuar dentro do cinema para a seguinte, pedi para colocarmos o costume em prática. Desanimado com o prospecto de ter que ficar num filme de criança mais do que o necessário, ele topou: mas assistiríamos da sessão seguinte somente a parte que tínhamos perdido.  Eu entrei e memorizei a cena, para garantir que veríamos tudo.

Mas, meu pai rapidamente se encantou. Com pouco tempo eu o vi até chorando de rir.


Na sessão seguinte, quando começou o pedaço que já havíamos assistido, cedi e avisei:

- Tá bom, pai, podemos ir embora agora.
- Não, não... podemos ficar até o final.

Difícil dizer qual dos dois ficou mais empolgado com a decisão.

Com este papo todo de que uma continuação do filme está mais firme do que nunca, o saudosismo e a nostalgia batem forte. Mas, vem também a sensação de que encontrar aquela divertida turma de amigos, 30 anos depois, pode não ser uma boa ideia: todo mundo (e o mundo tudo) mudou e nada vai ser tão bom quanto antes.

Richard Donner e Steven Spielberg não nos decepcionem. Meu pai e eu contamos com você. E meu filho também, provavelmente.

2 comentários:

  1. Me lembro de ter assistido os Goonies um pouco mais de 15 vezes (pela TV aberta que sempre passava na TV Globo e também em CD, "sim, eu comprei um DVD pirata", ninguém é perfeito!). O misto de aventura e ação é tão característico que fez deste filme uma relíquia e que hoje talvez (pelo menos eu acredito) está preservado na memória dos que o prestigiaram, lembro-me dos mínimos detalhes, a risada do gordinho comendo chocolate, putz! : )). Confesso, não tenho a mínima condição de falar sobre produtores, escritores e diretores de cinemas e muito menos discutir sobre cinema, mas posso falar com propriedade que o sr. Spielberg é de fato um dos se não o melhor dos cineastas de todos os tempos. Uma coisa que você disse acima e que concordo plenamente "...o saudosismo e a nostalgia batem forte.". Acredito que, Spielberg sabe o que faz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Spielberg é de fato um dos se não o melhor dos cineastas de todos os tempos." Pronto, disse tudo.

      Excluir